sexta-feira, 7 de Fevereiro de 2014 04:27h Simião Castro

Cemig alerta para cuidados com rede elétrica no carnaval

Cuidados com montagem de estrutura, trios elétricos e instalações domésticas são essenciais

Divinópolis não tem tradição de carnavais de rua, mas nem por isso os foliões da cidade deixam de encontrar alternativas para a festa. Seja viajando para fora atrás da farra ou comemorando em casa mesmo, alguns cuidados com a rede elétrica são essenciais para ninguém perder a energia.
Cidades próximas a Divinópolis são conhecidas pelo grande número de pessoas que juntam na época do carnaval. O administrador regional da Cemig, Divino Barros Vieira, enumera algumas onde a empresa realiza orientações nesse período para evitar acidentes.
Em municípios como Pompéu, Abaeté, Capitólio, Oliveira e Carmo da Mata a estatal mantém reuniões periódicas com prefeituras, Ministério Público e Corpo de Bombeiros. O objetivo é alertar sobre os cuidados a serem tomados com trios elétricos e instalações como palcos e som.
Estrutura
“Na Cemig, 70% da rede de energia elétrica aérea, é de fio nu. É muito perigoso, por exemplo, encostar em um cabo de baixa tensão. Você pode levar choque, às vezes fatal. No fio de alta tensão nem é necessário encostar, basta aproximar que ele já solta uma descarga elétrica”, diz o administrador. Uma rede de alta tensão urbana pode chegar a 13.800 volts.
Ele ressalta que em Pompéu a Cemig trocou postes na cidade por outros mais altos, elevando a rede de modo que os trios elétricos podem agora passar com tranquilidade e à distância de segurança mínima dos fios. A medida é feita a partir do ponto mais alto do trio, que tem que estar, no mínimo, 1,5m abaixo da rede.
O mesmo vale para palanques e palcos, que requerem a atenção dos organizadores dos eventos para a existência de redes elétricas subterrâneas, além das aéreas, caso alguma escavação seja necessária. “A montagem e a desmontagem dessas estruturas devem ser feitas com cuidado para que nenhum material se aproxime dos fios da rede durante a movimentação”, explica o engenheiro de normalização e tecnologia da Cemig, Demétrio Venício Aguiar.
Folia
Na hora da festa também é preciso prevenir. Divino adverte que nada deve ser atirado contra a rede elétrica. Nem confetes, jatos d’água e, principalmente, serpentinas. Ele lembra que a serpentina metálica teve a fabricação e a venda proibidas em Minas. A lei estadual foi aprovada pela Assembleia Legislativa de Minas Gerais em 2012.
A proibição foi motivada pela tragédia ocorrida no carnaval do ano anterior na cidade de Bandeira do Sul, Sul de Minas. O laudo da Polícia Civil indicou que serpentinas metalizadas jogadas na fiação pública causaram o curto-circuito na rede elétrica e derrubaram os cabos de alta tensão sobre um trio elétrico que passava em uma rua no meio de cerca de 3 mil foliões. A descarga elétrica matou 16 pessoas entre 13 e 24 anos.
Em caso de rompimento de fios e queda deles no chão, Divino diz que é crucial manter distância e procurar ajuda especializada. “É importantíssimo que as pessoas não se aproximem do fio que esteja caído no chão. Isolem o local, de preferência, liguem para a Cemig imediatamente e, ao mesmo tempo, acionem o Corpo de Bombeiros e a Polícia Militar. Eles têm entendimento do perigo e capacidade de isolar o local.”
Dentro de casa
Nas residências a voltagem elétrica gira em torno de 127 a 220 volts, o que, de acordo com Divino, é suficiente para causar a morte em caso de acidentes. Algumas recomendações podem garantir a segurança dentro de casa.
Não fazer gatos e evitar o uso de benjamins para ligar mais de um aparelho na mesma tomada são cuidados básicos, mas essenciais. Além disso, “não utilizar churrasqueiras elétricas próximas a chuveiros e piscinas, porque podem molhar e causar choque”, completa Divino.
SMS
Além dos meios tradicionais de contato com a Cemig, a estatal possui também atendimento por mensagem de texto do celular e redes sociais. O primeiro já está em operação há pouco mais de dois anos. Ele é capaz de decodificar a mensagem e agilizar a comunicação entre cliente e empresa.
“Ele é direto e você recebe resposta segundos depois. É uma ferramenta mais fácil de utilizar para reclamar de falta de energia, consultar um débito e fazer a leitura.” Para cada uma das funcionalidades, uma palavra deve ser enviada para o número 29810.
Enviando “luz”, é possível reclamar de queda de energia. Ao enviar “conta”, a resposta é o valor do último débito. E com “leitura” o cliente pode fornecer a leitura do medidor de energia para a Cemig. Em todos os casos, depois da palavra, é preciso digitar também o número do CPF do titular da conta. De acordo com a empresa, apenas de novembro para cá, quase cem mil atendimentos foram iniciados por meio de SMS.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.