quinta-feira, 30 de Abril de 2015 13:54h

Cemig explica aumentos nas contas de energia elétrica

Impostos representam mais de 20% do valor das contas e são alvo de reclamações

A tarifa residencial de energia elétrica em 2005 era de R$ 386 por megawatt/hora, quantidade que hoje custa R$ 509 – um aumento de 32% em dez anos. As informações foram prestadas pelo gerente de Tarifas da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), Ronalde Xavier Moreira Júnior, que destacou que a inflação foi de 72% no mesmo período. Ele apresentou esses dados e explicações sobre as razões dos últimos aumentos tarifários durante audiência pública realizada na manhã desta quinta-feira (30/4/15). O encontro foi promovido por uma reunião conjunta das comissões de Defesa do Consumidor e do Contribuinte e de Minas e Energia da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG).

Os representantes de órgãos de defesa do consumidor, Marcelo Barbosa, do Procon ALMG, e Christiane Pedersoli, do Procon Estadual de Minas Gerais, salientaram que o grande problema do aumento recente das tarifas foi a falta de transparência. “Nunca recebemos uma planilha explicando o porquê daquele aumento”, disse Barbosa, que solicitou que a Cemig envolvesse as entidades de defesa dos consumidores em discussões futuras sobre o assunto.

Representante da Cemig explica aumentos

Ronalde Moreira, da Cemig, aproveitou o encontro para explicar todos os aumentos tarifários. Primeiro, ele falou das três bandeiras aplicadas às tarifas – verde, sem adicional nos custos; amarela, com adicional de R$ 2,50 a cada 100 KW/h; e vermelha, com adicional de R$ 5,50 pelos mesmos 100 KW/h. Ele explicou que o aumento dos valores deriva da utilização de energia cuja geração é mais cara, como a de termoelétricas. Segundo ele, sempre que o consumo aumentava e era necessário recorrer a essa energia mais cara isso era repassado para o consumidor.

Antes da utilização das bandeiras, sistema que começou a ser usado em janeiro deste ano, o repasse era feito no ano seguinte e vinha reajustado pela taxa Selic de juros, ou seja, acabava pesando mais no bolso. Ele afirmou que o custo da energia começou a aumentar substancialmente desde 2013, mas naquele momento isso não foi repassado para o consumidor porque foi feito um aporte do governo federal, que agora começa a ser cobrado. Segundo ele, serão necessários 5 anos para cobrir tal aporte.

Em seguida, o representante da Cemig explicou as razões para a revisão tarifária extraordinária, que aumentou em 21,4% o custo para as residências mineiras em março deste ano. Ele explicou que o principal motivo do aumento foi para a manutenção da Conta de Desenvolvimento Energético (CDE), que é um fundo que cobre, por exemplo, os subsídios a grupos de consumidores, como acontece no programa Baixa Renda, e oferece recursos para a produção de energia no sistema isolado. Segundo ele, o orçamento anual do CDE no Brasil era de R$ 1,7 bilhões de reais em 2014 e, nesse ano, serão necessários R$ 22 bilhões.

No mês seguinte, em abril, houve o reajuste ordinário, que chegou a 7,7%. De acordo com ele, esses aumentos cobriram aumentos em custos, por exemplo, da transmissão de energia. Ele destacou que a Cemig é responsável apenas pela distribuição da energia, mas existem também as etapas de produção, comercialização e transmissão da energia.

Ronalde Moreira afirmou que apenas 20% da conta de luz é destinada à distribuição de energia. Ele apresentou uma planilha segundo a qual 31% do valor é destinado à compra de energia; 3,3% vai para a transmissão; 20% para encargos como o CDE e 24,7% para o pagamento de impostos, especialmente ICMS e Cofins. Ele destacou, ainda, que metade dos consumidores mineiros paga hoje menos de R$ 90 mensais na conta de energia.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.