sábado, 1 de Março de 2014 06:32h Atualizado em 1 de Março de 2014 às 06:34h.

Cidadãos passam a ter acesso livre aos dados de criminalidade dos 853 municípios mineiros

Estatísticas de 2013 e de janeiro de 2014 já estão disponíveis no Portal Minas em números. A partir de agora, as estatísticas serão publicados mensalmente.

A Secretaria de Estado de Defesa Social divulga, nesta sexta-feira, (28), no Portal Minas em números (www.numeros.mg.gov.br), as estatísticas de criminalidade violenta de janeiro deste ano em Minas Gerais. Pela primeira vez, são divulgados na internet os dados de criminalidade dos 853 municípios mineiros. A partir de agora, essas estatísticas serão publicados mensalmente, sempre no 15º dia último do mês seguinte. Também de forma inédita, estarão disponíveis no site da secretaria as informações desagregadas dos sete tipos de tipos de crimes classificados como violentos, de todas as cidades do Estado. Pelo Portal Minas em números, poderá ser feita uma avaliação detalhada e interativa dos dados de violência. É preciso entrar no endereço eletrônico, depois clicar em Mapa de Resultados e, depois, em Painel de Indicadores.

O cidadão poderá consultar os números absolutos e as taxas de homicídios consumados, homicídios tentados, estupros consumados, estupros tentados, roubos, extorsões mediante sequestro e sequestros e cárceres privados de qualquer localidade. Um detalhamento histórico, aberto para o público em geral, e disponível em um curto espaço de tempo após o crime. Na avaliação de gestores de segurança de Minas, a nova metodologia possibilitará melhor avaliação da situação da violência no Estado e permitirá, inclusive, mais cobrança da população com os responsáveis pela segurança da sua cidade.

Como destacou o secretário Rômulo Ferraz, a abertura dos dados da segurança pública, de forma cada vez mais transparente, é um avanço conquistado ano após ano. “A partir de 2012, passamos a divulgar as estatísticas mensalmente. Em 2013, divulgamos também com esta periodicidade não só os dados do Estado, Região Metropolitana e Belo Horizonte como também dos 28 municípios que possuem mais de 100 mil habitantes e por isso concentram a maioria dos crimes. Neste 2014, a transparência e detalhamento da informação é histórica e benéfica para todos os cidadãos.”

721 municípios sem homicídios

O mês de janeiro foi marcado pela estabilização das estatísticas de homicídios em Minas Gerais, Região Metropolitana e Belo Horizonte na comparação com o mesmo período do ano passado. O total de registros efetuados deste tipo de crime foi praticamente o mesmo no primeiro mês dos dois anos comparados. Foram 367 ocorrências no Estado em janeiro de 2014, contra 368 em janeiro de 2013. Em BH, foram 59 registros em janeiro deste ano contra 60 no mesmo mês do ano passado. Já na Região Metropolitana foram 168 registros em janeiro de 2014 contra 167 em janeiro de 2013.

Mais de 84% dos municípios – o que representa 721 cidades – não tiveram registro de homicídios em janeiro de 2014. Quando são levados em conta os municípios que não registraram, reduziram os índices ou mantiveram os números de janeiro do ano passado, este dado chega a 757 cidades, ou 89,6% do total. Destaque para Santa Luzia, que passou de dez registros em janeiro de 2013 para quatro no mesmo período deste ano; Ipatinga (de oito registros para três); Ouro Preto (de quatro para um registro) e Araçuaí (de três para nenhum). Arcos, Conceição do Mato Dentro e Congonhas, diminuíram de três homicídios em janeiro do ano passado para nenhum no primeiro mês deste ano.

Avaliação geral dos municípios

As estatísticas de janeiro de 2014, disponíveis na nova plataforma do Portal Minas em Números, apontam para um acréscimo nos índices de crimes violentos e crimes violentos contra o patrimônio em Minas. Ressalta-se, no entanto, que, em média, 90% dos municípios mineiros tiveram quedas, mantiveram os dados do ano anterior ou não registraram um dos sete tipos de crimes violentos no Estado (veja o quadro abaixo).

“Todos os trabalhos estão sendo desenvolvidos para garantir melhora dos índices ao longo de 2014, assim como sensação de segurança na população, que é outro indicador muito importante”, ressaltou o secretário Rômulo Ferraz. Ele cita, por exemplo, o alcance histórico da marca de 59 mil presos no sistema prisional. No ano de 2013, 81.337 pessoas foram encaminhadas para unidades da Subsecretaria de Administração Prisional (Suapi), contra 69.932 em 2012. Um aumento de 16% que significa 11.405 entradas a mais nos presídios e penitenciárias de Minas.

Até o final de 2014, serão investidos cerca de R$ 600 milhões na segurança pública de Minas. O efetivo das polícias está sendo ampliado, com a contratação de seis mil novos policiais civis, militares e bombeiros. Cerca de 80% das três mil novas viaturas adquiridas para as instituições de segurança também já foram distribuídas no final de 2013 e continuam a ser entregues ainda no primeiro trimestre deste ano.

A prevenção à criminalidade, representada pelos programas Fica Vivo!, Mediação de Conflitos, Central de Penas Alternativas (Ceapa) e Programa de Inclusão Social dos Egressos do Sistema Prisional (Presp) será ampliada. No primeiro quadrimestre de 2014 serão entregues outros quatro novos Centros de Prevenção à Criminalidade com os programas Fica Vivo e Mediação em Justinópolis, Governador Valadares (bairro Carapina), Uberlândia (bairro Canãa) e em Betim (bairro Jardim Teresópolis). Uma Central de Alternativas Penais foi inaugurada em Vespasiano na última semana e outra será entregue em Araguari nos próximos dias.

Em 2014, a instalação de mais quatro bloqueadores de celular nas unidades prisionais do Estado também trará impactos na redução dos crimes, segundo o secretário. O primeiro deles será o do Complexo Penitenciário Nelson Hungria, em Contagem, que deverá estar em pleno funcionamento até o próximo mês. A Penitenciária de Francisco Sá, no Norte de Minas, será a segunda, por ordem de prioridade, a receber o equipamento.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.