quarta-feira, 1 de Abril de 2015 10:02h

Com apoio da Codevasf, piscicultores do semiárido mineiro produzem 7,4 mil toneladas e movimentam R$ 38 milhões

O vale do rio São Francisco em Minas Gerais está se destacando no cenário nacional como um dos principais polos produtores de tilápia em tanques-rede:

Foram 7,4 mil toneladas produzidas somente na região do lago de Três Marias - onde se concentra parte significativa da produção desse pescado no estado -, em 5.765 tanques-rede de diversos tamanhos distribuídos em 74 pisciculturas que reúnem 169 piscicultores, gerando uma receita bruta de peixe in natura (fresco) em torno de R$ 38 milhões.
Os resultados se referem a 2014 e estão relacionados às ações desenvolvidas e acompanhadas pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) por meio dos Centros Integrados de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Três Marias (CIT) e do Gorutuba (CIG) e da Unidade de Beneficiamento de Pescado de Morada Nova de Minas (UBP).
São mais de 424 empregos diretos e 1.696 indiretos que beneficiam pequenos produtores rurais dos municípios de Felixlândia, Abaeté, Paineiras, Três Marias, Pompeu, Morada Nova de Minas, São Gonçalo do Abaeté e Biquinhas, todos localizados no entorno do lago de Três Marias e recebendo apoio técnico da Codevasf.
Juntos, os Centros Integrados de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Três Marias e do Gorutuba produziram, de 2012 a 2014, mais de 1,9 milhão de alevinos, entre espécies nativas e espécies exóticas, as quais foram distribuídas para criação por piscicultores familiares e artesanais e também para a realização de 41 peixamentos de rios e córregos da região.
Por meio da unidade do Gorutuba, assistência técnica e capacitação vêm sendo prestadas a mais de uma centena de piscicultores, num trabalho que envolve fomento aos produtores, visitas às propriedades e realização de reuniões conhecidas como “dias de campo”.
Na Unidade de Beneficiamento de Pescado de Morada Nova de Minas, implantada pela Codevasf em 2010 em parceria com o município, os piscicultores agregam valor e renda à produção de pescado. “Com a unidade, o piscicultor oferece produto de qualidade e com certificação sanitária federal, em condições de ser comercializado não só em Minas Gerais mas em todo o país”, observa o superintendente da Codevasf em Minas Gerais, Dimas Rodrigues.
A agregação de valor ao produto se dá em razão do melhor processamento da matéria prima com a produção de filé, postas e cortes especiais, explica o superintendente. “Esse trabalho viabiliza a melhoria da renda familiar dos produtores envolvidos, fazendo com que os recursos oriundos dessa atividade permaneçam na região e promovam o desenvolvimento sustentável”, aponta.

Iniciativa pioneira

O trabalho no entorno da barragem de Três Marias teve início em novembro de 2001, quando a Codevasf implantou a primeira unidade demonstrativa de produção de tilápia em tanques-rede.
Segundo o engenheiro de pesca, José Jacobina Neto, chefe do Escritório de Apoio Técnico de Morada Nova de Minas, a iniciativa pioneira foi logo assimilada por um pequeno grupo de produtores, que imediatamente identificou a necessidade de se organizarem em grupo para melhor gerirem o negócio.
Com o início das obras da Unidade de Beneficiamento de Pescado e com as perspectivas de maior crescimento da atividade da região, aumentaram significativamente os investimentos no setor. Surgiram diversas associações de produtores e a Cooperativa dos Piscicultores do Alto Médio São Francisco (Coopeixe), com a finalidade de representar os piscicultores da região na promoção da atividade. Hoje são 43 sócios, a maioria pequenos produtores da aquicultura familiar.

Gorutuba

Construído no início dos anos 80 ao lado da barragem do Bico da Pedra, em Nova Porteirinha, o Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura do Gorutuba tem um importante papel na propagação artificial de espécies de peixes nativos e exóticos de valor ecológico e comercial para a recomposição da ictiofauna nativa e também para a piscicultura do Vale do rio São Francisco em Minas Gerais, principalmente nos 16 municípios da região da Serra Geral.
De 2012 a 2014, a Codevasf produziu nesse Centro mais de 1,6 milhão de alevinos, sendo mais de 1,1 milhão de espécies nativas e cerca de 500 mil de espécies exóticas, as quais foram distribuídas para criação por pequenos produtores rurais e para a realização de 13 peixamentos em rios e córregos dos municípios de Janaúba, Manga, Matias Cardoso, Mato Verde e Nova Porteirinha.

Três Marias

No Centro Integrado de Recursos Pesqueiros e Aquicultura de Três Marias a produção de 2012 a 2014 foi de mais de 320 mil alevinos de espécies nativas da bacia do rio São Francisco, os quais foram destinados a 28 peixamentos realizados na barragem de Três Marias, e também em rios e córregos do Alto São Francisco.
O centro, que desde 1979 atua exclusivamente com reprodução de espécies nativas da bacia do rio São Francisco, tem entre suas atribuições a realização de pesquisas nas áreas de ictiologia (estudo dos peixes) e limnologia (estudo das águas), o provimento de suporte à piscicultura, a reposição de peixes de espécies nativas à bacia hidrográfica do São Francisco e o monitoramento da qualidade das águas desta bacia.
No espaço são desenvolvidas tecnologias de reprodução artificial de espécies nativas e estudos de lagoas marginais no estado de Minas Gerais. No Centro de Três Marias foi alcançado o domínio da reprodução artificial de 35 espécies nativas do Velho Chico – como dourado, matrinxã, pacamã e curimatã pioa, entre outras.
As ações de peixamento, além de recomporem a ictiofauna do rio, são realizadas para o cumprimento de condicionantes de licenciamentos ambientais de empreendimentos da Codevasf.
De 2012 a 2014, os trabalhos de pesquisa daquela unidade suscitaram a produção de 106 publicações científicas nas diversas áreas relacionadas à aquicultura e recursos pesqueiros no vale do São Francisco.
O processo para acreditação atualmente desenvolvido pelo Centro Integrado de Três Marias inclui o planejamento e a implantação de um rigoroso sistema de gestão de qualidade, a realização de treinamentos, a validação de métodos de ensaio, a calibração de equipamentos, a aquisição de materiais de referência, a participação em ensaios de proficiência e a realização de auditorias.
Quando receber oficialmente a acreditação pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial e Tecnologia), o Centro Integrado será um dos poucos do Brasil a ter suas análises de água aceitas pelos órgãos ambientais responsáveis por autorizar a implantação de parques aquícolas.
Nos últimos anos, com recursos provenientes do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), a Codevasf investiu quase R$ 7 milhões em obras de melhorias dos laboratórios e dos tanques dessa unidade e, ainda na construção de uma Estação de Tratamento de Esgoto e aquisição de equipamentos de laboratório, veículos e barcos, entre outros.
De acordo com Izabel Aragão, Gerente de Desenvolvimento Territorial da Codevasf, com os investimentos aplicados nos últimos anos, a acreditação do laboratório de análise de água e a continuidade das pesquisas aplicadas, o Centro de Três Marias se está configurando como a maior referência no Brasil em estudos relacionados a recursos pesqueiros da bacia do São Francisco.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.