quarta-feira, 3 de Junho de 2015 09:43h

Comissão da FAEMG debate modernização da pecuária de corte

A necessidade de modernizar técnicas de produção e gestão foi o tema da reunião da Comissão Técnica de Pecuária de Corte da FAEMG, realizada nessa terça (2/6)

A necessidade de modernizar técnicas de produção e gestão foi o tema da reunião da Comissão Técnica de Pecuária de Corte da FAEMG, realizada nessa terça (2/6), durante a 55ª Exposição Estadual Agropecuária de Minas Gerais, em Belo Horizonte.

No encontro foram apresentados os resultados preliminares de um diagnóstico do segmento mostrando que o principal gargalo da bovinocultura de corte está na ausência de planejamento e na gestão ineficiente. O estudo está sendo elaborado pelo INAES, braço de pesquisa e inovação do Sistema FAEMG, em parceria com a UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) em propriedades de quatro regiões mineiras onde a atividade é mais intensa.

De acordo com o professor da UFMG a frente das pesquisas em campo, Fabiano Alvim, a análise inicial apontou que os pecuaristas devem aprimorar o planejamento, o monitoramento e a gestão para obterem maior rentabilidade. “O produtor precisa mudar o jeito de produzir, precisa mudar seu conceito. Tem que adotar as tecnologias que já estão disponíveis e precisa ter um técnico com ele para isso. Mas, também precisa investir em planejamento e ter conhecimento de gestão financeira”, enfatizou.

Para o presidente da Comissão, Paulo Emilio de Almeida Carneiro, a melhoria da gestão é fundamental para o setor, e difundir essa máxima deve ser prioridade. “Precisamos mostrar aos pecuaristas que a gestão é a diferença entre o lucro e o prejuízo. A pecuária como extrativismo puro e simples acabou”.

Durante o encontro também foi apresentada a Plataforma de Gestão Agropecuária, uma base de dados que reúne informações dos estados sobre movimentações de bovinos de corte; desenvolvida pela CNA em parceria com o Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento). Segundo o assessor técnico da Comissão Nacional de Pecuária de Corte, Rafael Linhares Fernandes, o sistema é um avanço tecnológico criado para melhorar a gestão, colocando os pecuaristas brasileiros em vantagem e, portanto, deve ser aproveitado.

Convidado para a reunião, o presidente da Comissão Nacional de Pecuária de Corte, Antônio Pitangui de Salvo, concordou que a mudança no jeito de produzir e utilizar tecnologias é fundamental. “Temos condições de crescer com recursos do próprio produtor. É só utilizar as técnicas corretas, investir em melhoramento genético e recuperação de pastagens. Precisamos de uma mudança de rumo, mas ela não pode ser feita de forma abrupta, tem que ser sustentável”, disse.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.