quinta-feira, 11 de Dezembro de 2014 05:14h Lorena Silva

Cresce o número de casos suspeitos de Febre Chikungunya em Minas Gerais

Quatro casos estão sendo investigados na região Centro-Oeste do Estado

Desde que as ações de combate à Febre Chikungunya foram intensificadas em Minas Gerais, após dois casos da doença terem sido confirmados no Estado – um em Matozinhos, região metropolitana de Belo Horizonte e outro em Coronel Fabriciano – o número de casos suspeitos da doença tem sido crescente em Minas.
De acordo com levantamento divulgado pela Secretaria de Estado de Saúde (SES) na última sexta-feira, subiu para 88 o número de notificações da Febre em Minas Gerais. Dados divulgados no dia 7 de novembro, quase um mês antes, revelam que Minas Gerais possuía 39 casos suspeitos, menos da metade do número atual.
Segundo o que consta nos dados, que são divulgados semanalmente pela SES, há um aumento do número de casos a cada semana. No dia 14 de novembro, por exemplo, havia 45 casos suspeitos, passando para 65 uma semana depois e para 82 na última semana de novembro. Atualmente, 29 estão sendo investigados pela SES, quatro em municípios da região Centro-Oeste, sendo eles São Francisco de Paula, Pitangui, Itaúna e Bom Despacho.

 

COMBATE
Com o aumento dos casos suspeitos em Minas Gerais, a Secretaria de Estado e os municípios têm intensificado as ações de combate ao mosquito Aedes Aegypti e Aedes Albopictus, os dois vetores transmissores da doença. Conforme a SES, eles estão presentes em 80% das cidades mineiras.
No último sábado, no Dia Nacional de Mobilização contra a Dengue e a Chikungunya, a Secretaria Municipal de Saúde (Semusa) de Divinópolis promoveu ações em alguns pontos da cidade com o objetivo de mobilizar a população sobre o assunto. Foram entregues panfletos e outros materiais informativos nas feiras de alimentação de alguns bairros do município, além de blitze em pontos específicos da cidade.

 

A DOENÇA
O agente transmissor da Febre Chikungunya é o mosquito Aedes aegypti – o mesmo causador da Dengue – e o Aedes albopictus. O vírus é transmitido pela picada da fêmea de mosquitos infectados e circula em alguns países da África, Ásia e América. O termo Chikungunya significa “aqueles que se dobram” em swahili, um dos idiomas da Tanzânia, e se refere à aparência curvada dos pacientes que foram atendidos na primeira epidemia documentada no país.
Os sintomas da doença são semelhantes aos da Dengue, sendo eles febre acima de 39 graus, dores intensas nas articulações de pés e mãos (dedos, tornozelos e pulsos), dor de cabeça, dor nos músculos e manchas vermelhas na pele. Os sintomas aparecem de dois a dez dias após a picada do mosquito, podendo chegar a doze dias.

 

Aumento dos casos de Febre Chikungunya em Minas Gerais
Data Suspeitos Em Investigação
07/11 39 9
14/11 45 14
21/11 65 19
28/11 82 28
05/12 88 29

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.