segunda-feira, 13 de Junho de 2011 15:05h Assessoria Comunicação ALMG

Deputados constatam problemas de manutenção na rede elétrica

A falta de segurança e de pessoal para realizar a manutenção preventiva da rede elétrica de Belo Horizonte foram dois dos problemas constatados por deputados da Assembleia Legislativa de Minas Gerais que percorreram, na manhã desta segunda-feira (13/6/11), vários bairros da capital mineira. A visita das Comissões de Assuntos Municipais e Regionalização e de Minas e Energia foi acompanhada por representantes do Sindicato dos Trabalhadores na Indústria Energética de Minas Gerais (Sindieletro) e por moradores locais que denunciaram o risco para a população e o descaso no atendimento prestado pela Cemig.

 

 

Os deputados Rogério Correia (PT), autor do requerimento; Pompílio Canavez (PT), vice-presidente da Comissão de Assuntos Municipais; e a deputada Liza Prado (PSB) visitaram ruas dos bairros Salgado Filho, Santo Agostinho e Barreiro, onde encontraram poste de luz apodrecendo, falta de rede de energia e de sistema de proteção da rede, utilização de materiais e de ligação fora do padrão técnico. Outro problema constatado foi a demora na religação da energia elétrica após a chuva da noite de quinta-feira (9), em que alguns moradores tiveram a energia ligada apenas nesta segunda-feira (13).

 

Barreiro - No Barreiro, os parlamentares visitaram a Avenida Olinto Meirelhes e a Vila Bernadete. Na avenida Olinto Meirelhes, foi encontrado um poste de luz apodrecendo e sem o sistema de proteção de rede instalado. De acordo com os representantes da diretoria do Sindieletro, Jairo Nogueira Filho e Leonardo Timoteo Antunes, esse poste representa um grande risco para a população local. "Se por acaso o poste cair ou tivermos um cabo rompido, devido à falta do sistema de proteção, esse cabo continuará energizado", afirmou Leonardo Antunes.

 

 

De acordo com Jairo Nogueira, esse poste demonstra a falta de manutenção preventiva na rede que deveria ser realizada pela Cemig. "A manutenção não está acontecendo porque não há pessoal suficiente para fazê-la", considerou. Ele explicou que o poste já deveria ter sido trocado há muito tempo, pois é da década de 70. "Esse poste está com o tempo de vida vencido. Ele pode cair a qualquer momento", alertou.

 

Outro problema constatado no Barreiro foi a falta de rede elétrica para instalação de energia nas residências. Na Vila Bernadete, os deputados encontraram instalações elétricas clandestinas. De acordo com os representantes do Sindieletro, essas instalações foram feitas devido a falta da rede elétrica para instalação de energia nas casas. "Entretanto, é preciso lembrar também que a energia da Cemig é muito cara e as pessoas com menos recursos não tem orçamento para pagar os valores cobrados", considerou Leonardo Antunes.

Comerciantes e moradores ficaram vários dias sem luz

Outro problema constatado na visita foi a falta de pessoal para resolver os problemas de falta de energia após a tempestade de quinta-feira (9). No Barreiro, os parlamentares encontraram moradores e comerciantes que ficaram sem energia até a manhã desta segunda-feira (13), enquanto no Salgado Filho, foi necessário que a população organizasse uma manifestação para que a energia fosse ligada no sábado (11).

 

 

No Barreiro, os deputados conversaram com Evaldo Luiz Guedes dos Santos, que trabalha em uma marcenaria na Rua Coronel Severiano. Ele contou que telefonou várias vezes solicitando a religação da luz, mas somente foram atendidos na manhã desta segunda. Já a lojista Denise Petrolli afirmou que teve um prejuízo diário de cerca de R$ 200 por não ter como abrir a sua papelaria.

 

No Salgado Filho, os moradores contaram aos parlamentares que apenas após organizar uma manifestação e queimar pneus na rua, a Cemig teria religado a energia. Segundo a moradora Cláudia Márcia Belezia, na Rua Lagoa da Prata, com a tempestade, houve a queda de uma árvore, um poste de luz e um semáforo. "Isso tudo fez com que o cabo de luz se rompesse. Entretanto, a Cemig não isolou a área e nós só fomos atendidos após a realização do protesto", afirmou. Os moradores da região também afirmaram que a falta de energia é constante.

 

Santo Agostinho - No bairro Santo Agostinho, os representantes do Sindieletro mostraram aos parlamentares outros problemas como a falta de poda de uma trepadeira que pode levar a um curto-circuito na rede (Avenida Barbacena), além da utilização na rede de material proibido (Rua Alvarenga Peixoto) e de ligação fora do padrão técnico (Rua Rio Grande do Sul).

 

Deputados cobram cronograma de manutenção preventiva

 

 

O deputado Rogério Correia explicou que será apresentado requerimento solicitando que a Cemig forneça um cronograma de manutenção preventiva da rede elétrica em Minas Gerais. "Desde o acidente de Estrela do Sul, estamos denunciando a falta de manuntenção. Essa visita em Belo Horizonte serviu para mostrar a gravidade dos problemas encontrados na rede elétrica e que estão ligados a falta de manutenção", considerou.

 

Rogério Correia também afirmou que vai cobrar a contratação de pessoal para a realização da manutenção preventiva, além de um relatório com as localidades em que não há rede disponível para a população e um cronograma para que seja feita essa instalação.

 

 

Para o deputado Pompílio Canavez, a visita mostrou a insatisfação e a insegurança da população em relação à rede elétrica da Cemig. Ele criticou o descaso e a demora da empresa para religar a energia após a tempestade. "Mas esse problema não está acontecendo somente em Belo Horizonte, mas sim no Estado inteiro", considerou.

 

Já a deputada Liza Prado defendeu que a Cemig desenvolva um projeto social voltado para resolver o problema das famílias que não tem como pagar a conta de luz. "As pessoas tem o direito de ter energia e a Cemig deve desenvolver um projeto social para resolver essa situação", defendeu

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.