segunda-feira, 18 de Maio de 2015 14:06h

Diretor da FAEMG critica sinal verde para café peruano

Presidente das Comissões Estadual e Nacional de Cafeicultura tem reunião agendada para discutir reversão da medida

O diretor da FAEMG e presidente das Comissões de Cafeicultura da entidade e da CNA, Breno Mesquita, anunciou que a entidade - na condição de representante do produtor rural - está mobilizada para tentar reverter a liberação da importação de café peruano, assinada pelo Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), a qual classificou como absurda: “Não há nada que justifique essa medida, que irá prejudicar seriamente um setor produtivo que sempre teve enorme importância para a economia brasileira. Somos o maior produtor mundial de café, com mais de um terço de todo grão produzido no mundo. Se nossa produção supre o mercado em quantidade, qualidade e variedades, é no mínimo um contrassenso liberar a entrada de um produto que vai canibalizar a geração de milhares de emprego e de renda em nosso país”, criticou.

Para 2015, a produção nacional de café prevista é de mais de 40 milhões de sacas, garantindo um faturamento de cerca de R$ 20 bilhões de reais. O setor emprega aproximadamente 8 milhões de brasileiros. “O Brasil tem investido muito em quantidade e em qualidade, e tem ainda a sustentabilidade como um dos principais fatores de diferenciação de sua produção. Por trás do grão, há um forte trabalho de pesquisa, inovação e boas práticas. A livre entrada do grão peruano, a preços inferiores certamente desestimularia os cafeicultores brasileiros que tanto investem em melhoria da qualidade de seu café e na produção sustentável e ética”, explicou o diretor da FAEMG.

Segundo Breno Mesquita, a medida vem tornar ainda mais grave um momento especialmente delicado para o produtor, que se encontra descapitalizado e em meio a uma sucessão de problemas gerados por dois anos de seca.

| Reunião

Há alguns dias a FAEMG tem conversado com produtores de diversas regiões de Minas e de outros estados sobre a situação. Nesta terça (19/5), o presidente das comissões de cafeicultura, Breno Mesquita, se reunirá, em Brasília, com a equipe da Secretaria de Defesa Agropecuária do MAPA (responsável pela liberação do café peruano) para dialogar sobre a reversão da medida: “É preciso que haja um mínimo de bom senso e que esta decisão seja reavaliada com máxima urgência, sob o risco de jogarmos por terra tudo o que a cafeicultura nacional conquistou em mais de um século de trabalho pesado”.
.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.