quinta-feira, 16 de Agosto de 2012 16:34h Gazeta do Oeste

Diretora atribui pior nota do Ideb MG à greve de professores estaduais

 

A Escola Estadual Maria do Socorro Andrade apresentou o pior Índice de Desenvolvimento do Ensino Básico (Ideb) em Minas Gerais nas séries finais do Ensino Fundamental. Mantida pelo governo do estado, a instituição obteve a nota 0,3, em uma escala de 0 a 10, e foi considerada uma das piores escolas públicas brasileiras. Os números foram divulgados nesta terça-feira (14) pelo Ministério da Educação (MEC). O Ideb foi criado para medir a qualidade no ciclo básico de ensino. Para chegar ao índice, o MEC calcula a relação entre rendimento escolar (taxas de aprovação, reprovação e abandono) e desempenho na Prova Brasil aplicada para crianças do 5º e 9º ano do fundamental e do 3º ano do ensino médio.

O levantamento é feito a cada 2 anos. Em 2005, a escola obteve 3,5; já em 2007 e em 2009, a nota foi 3,6. A projeção feita pelo MEC para 2011 era de 3,9.

Para a diretora da instituição, Iara de Sena Leocádio, o principal fator que justificou a nota baixa foi a greve de professores da rede estadual que aconteceu em 2011. “Nós tivemos a oportunidade de fazer a reposição, só que infelizmente a reposição não é efetiva quanto às aulas de segunda a sexta. Convocamos e incentivamos os alunos a fazer a reposição, mas fazer com que eles estejam ali, todos os sábados, é muito complicado. Não dá aquele coro para ter uma aula efetiva”, explicou.

De acordo a diretora, a Prova Brasil foi "boicotada". “Os alunos foram orientados por professores que estavam participando do movimento grevista”, alegou. Para Iara, a falta de interesse e participação das famílias dos alunos também contribuiu para colocar a escola entre as piores na nota dada pelo MEC.

A diretora informou que medidas já estão sendo implantadas pela equipe pedagógica. Ela destacou um projeto da Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, que tem o propósito de oferecer reforço escolar. Segundo a diretora, no projeto, os alunos têm aluas obrigatórias de português e matemática, além de mais três disciplinas da escolha do aluno.

A Secretaria de Estado da Educação informou que o dado vai ser analisado e que vai intervir, na escola, com a adoção de projetos pedagógicos. De acordo com a secretária, Ana Lúcia Gazzola, desde 2009 os resultados da Escola Estadual Maria do Socorro Andrade são preocupantes, comparado às médias de outras escolas do estado.

Ana Lúcia concordou que a greve interferiu no Ideb da instituição. Entretanto, apontou outros fatores, como o alto índice de reprovação e evasão de alunos, além de problemas de gestão. “É uma escola que requer, realmente, uma ação muito mais forte para que possa mudar de patamar”, ressaltou a secretária.

Fundada em 1985, a escola, localizada na Região Oeste de Belo Horizonte, tem cerca de 1300 alunos, divididos em turmas que vão do 6º ano do Ensino Fundamental ao 3º ano do Ensino Médio, além da Educação de Jovens e Adultos (EJA).

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.