segunda-feira, 5 de Novembro de 2012 02:32h Gazeta do Oeste

Eleições internas do PSDB vão reproduzir disputas recentes entre mineiros e paulistas

A eleição do novo presidente do PSDB, marcada para maio do ano que vem, antecipará a batalha que se arrastará até as eleições presidenciais de 2014: a disputa de mineiros e paulistas pela hegemonia no principal partido de oposição ao governo federal. Virtual candidato à Presidência daqui a dois anos, o senador Aécio Neves (PSDB-MG) defende a renovação dos quadros e das ideias. Tucanos paulistas, sobretudo os ligados ao candidato derrotado à prefeitura paulistana José Serra acham que “o novo pelo novo” é excludente, pois despreza toda a experiência e bagagem de antigos dirigentes.

Por um sinal de respeito ao atual presidente do partido, Sérgio Guerra, os nomes dos futuros candidatos ainda não são discutidos abertamente. Dois dias antes do primeiro turno das eleições, Guerra foi internado com um quadro de infecção renal e desidratação. Na semana retrasada, fez uma cirurgia delicada para a retirada de um tumor próximo à nuca. “Ele está bem, consciente, e participará ativamente das discussões do partido”, declarou o senador Aécio Neves.

Nas rodas tucanas, no entanto, os nomes dos sucessores começam a aparecer, ainda que discretamente. Pelos lados de Minas e dos aliados de Aécio, um nome que surge como alternativa é o do atual secretário-geral do partido, Rodrigo de Castro (MG). Muito próximo ao senador mineiro, ele já cuida da burocracia partidária e viajou bastante durante as eleições municipais para conhecer a realidade do partido nos diversos estados.

Rodrigo e Aécio comungam da opinião de que o partido saiu vitorioso ao crescer no Nordeste e eleger prefeitos nas duas principais capitais do Norte – Belém, com Zenaldo Coutinho, e Manaus, com Arthur Virgílio. Além disso, o PSDB é vice de ACM Neto (DEM) em Salvador, conquistando um palanque presidencial na capital baiana que não teve nos últimos anos. “Foram vitórias essenciais para consolidar o partido. Precisamos de pessoas novas e ideias novas nesse debate”, defendeu Aécio.

Mesmo admitindo que a perda da prefeitura de São Paulo para o PT foi doída, Aécio lembrou que o PSDB já não comandava a prefeitura, ocupada há quatro anos por Gilberto Kassab (PSD). “No plano federal, o PSD não está conosco, está com a presidente Dilma”. Até mesmo aliados convictos de Serra reconhecem isso. “Kassab foi muito correto conosco ao longo do primeiro mandato, mantendo nossas políticas. Mas o período de 2008 a 2012 foi totalmente comandado pelo atual prefeito”, completou o deputado Walter Feldmann (SP).

Reação Os serristas não querem Aécio tão soberano na legenda. Na semana anterior ao segundo turno das eleições, especulou-se que o próprio Serra poderia candidatar-se à presidência do partido, caso se confirmasse a vitória do petista Fernando Haddad. Na primeira entrevista após a derrota, Serra estava abatido, mas não deu sinais de que pretenda aposentar as chuteiras. “Saio dessa disputa com energia renovada e novas ideias na cabeça”, declarou.

Para o grupo, no entanto, reconduzir Serra à presidência é utopia. Por isso, trabalham com a manutenção do vice-presidente Alberto Goldmann. A exemplo de Rodrigo de Castro, ele também integra a máquina partidária, além de ser um quadro experiente e ter sido vice-governador de São Paulo entre 2006 e 2010.

Os serristas temem o discurso do novo no partido. Serra, por exemplo, já tem 70 anos. “O PSDB deve ter um discurso inclusivo. Podemos até discutir o momento em que lançamos um candidato experiente e quando lançamos um novo nome. Mas simplesmente menosprezar os mais antigos, os quadros históricos, beira o preconceito”, reclamou Feldmann. O próprio Serra se manifestou. “Comprar o discurso do novo pelo novo é comprar o discurso do PT”, comparou.

Um terceiro nome que se ventila é do atual secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal. Ele já presidiu a legenda, mas tem atritos com Serra e Goldmann. “Nem pensar. Ele cruzou os braços em São Paulo e contribuiu para a derrota de nossa legenda”, reclamou um desafeto do secretário estadual.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.