quinta-feira, 24 de Setembro de 2015 12:24h

Emater-MG assina acordo internacional de cafés sustentáveis

Parceria envolve cinco estados produtores de café e torrefadoras internacionais

O presidente da Emater-MG, Amarildo Kalil, assinou nesta quinta-feira (24/9) um documento de cooperação internacional para intensificar as ações voltadas para a produção de cafés sustentáveis em Minas Gerais. O acordo foi firmado entre o Programa Café Sustentável e os órgãos estaduais de Assistência Técnica e Extensão Rural. Também assinaram o documento os estados do Espírito Santo, São Paulo, Paraná e Rondônia. Juntos eles respondem por 93% da produção de café no país. O acordo foi firmando durante a Semana Internacional do Café, em Belo Horizonte. O secretário de Agricultura de Minas Gerais, João Cruz Reis Filho, também participou da solenidade.

O Programa Café Sustentável, criado pela agência holandesa IDH e coordenada no Brasil pela P&A, tem o apoio de governos europeus e é patrocinado pelas principais torrefadoras mundiais. Estas indústrias firmaram compromissos junto a seus consumidores de processar volumes crescentes de cafés de origem comprovadamente sustentável nos próximos anos. O IDH (Iniciativa de Comércio Sustentável, em holandês) é uma organização sem fins lucrativos dedicada a promover a sustentabilidade em diversas cadeias produtivas globais, entre elas o café.

“Um dos grandes benefícios do programa é que vamos intensificar as ações voltadas para produção sustentável junto aos pequenos e médios cafeicultores”, afirma Amarildo Kalil. O objetivo do programa é contribuir para que práticas sustentáveis de produção e comercialização de café ganhem escala por meio de atividades que assegurem aos cafeicultores a permanência e continuidade na atividade produtiva, com melhorias na renda e qualidade de vida, na organização social e econômica e na conservação do meio ambiente nas comunidades em que vivem.

O Programa está presente em seis países – Brasil, Colômbia, Vietnã, Indonésia, Etiópia e Uganda – que juntos representam 74% da produção mundial de café e também conta com a parceria de plataformas de certificação e verificação de diversas nacionalidades.

Programa de Minas é exemplo

Um exemplo de projeto do Programa Café Sustentável envolvendo governos locais e entidades internacionais é a equivalência do programa Certifica Minas Café, do Governo de Minas, e a Associação 4C. Este projeto, em fase final de execução, permite que todo produtor certificado pelo Certifica Minas Café passe a ser um produtor verificado pela Associação 4C, assim facilitando o acesso de seu produto ao mercado internacional.

O Certifica Minas Café conta 1.487 propriedades certificadas em 233 municípios. Com a atuação de extensionistas especialmente treinados para a atividade, a Emater–MG orienta os produtores sobre as adequações das fazendas candidatas à certificação. Após essa etapa, o IMA faz as auditorias preliminares para checar se todas as exigências foram atendidas. Em seguida, uma certificadora de reconhecimento internacional faz a auditoria final e concede a certificação às propriedades.

Já a Associação 4C conta com a participação de diversos órgãos de países da União Europeia também para certificar o café verde de acordo com uma série de critérios econômicos, sociais e ambientais na produção, processamento e comércio sustentável do produto.

Hoje, a entidade tem mais de 300 membros espalhados em 21 países e já certificou com o padrão de entrada mais de 360 mil produtores que, segundo a associação, têm potencial para a produção de 38 milhões de sacas.

Outros benefícios

Outro projeto envolve troca de experiências e metodologias que permitam otimizar os recursos públicos disponíveis de forma a atender o maior número possível de pequenos e médios cafeicultores, promovendo não apenas transferência de tecnologia, mas também geração e apropriação coletiva de conhecimentos e processos produtivos voltados para uma agricultura sustentável.

O tema central destas iniciativas é o Currículo de Sustentabilidade do Café, conteúdo de elaboração coletiva que é uma referência para aplicação de boas práticas agrícolas e ponto de partida para a capacitação dos atores envolvidos neste processo: extensionistas, cooperativas, entidades credenciadas de assistência técnica, Senar e Sebrae que treinarão os cafeicultores. Estas capacitações já estão em curso e os diversos técnicos dos estados de Minas Gerais, Rondônia e Espírito Santo que já participaram, em um total de 400 previstos para este ano, podem atuar tanto como multiplicadores, quanto como agentes de desenvolvimento local.

O Programa Café Sustentável já produziu 11 vídeos educativos, guia de implementação, formulários de avaliação e diagnóstico e guias de acesso ao crédito, organizará dias de campo e treinamentos digitais e participa ativamente de simpósios e eventos voltados à cafeicultura.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.