quarta-feira, 10 de Fevereiro de 2016 11:13h Agência Minas

Emater-MG conscientiza moradores sobre a importância da coleta seletiva

Projeto em Glaucilândia incentiva população a separar materiais recicláveis em troca de sementes, mudas e pintinhos caipiras

Com o objetivo de minimizar os impactos negativos da produção desordenada de lixo, a Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural de Minas Gerais (Emater-MG) está incentivando moradores da cidade de Glaucilândia, na região norte do Estado, a recolherem materiais recicláveis em troca de mudas de plantas frutíferas, sementes de hortaliças e pintinhos caipiras. O objetivo é dar destaque ao reaproveitamento dos materiais, protegendo assim a natureza local e promover novas oportunidades de negócios, já que os produtos adquiridos na troca podem gerar renda.

 

 

O idealizador do “Projeto Reciclar - Menos lixo, mais segurança alimentar” e extencionista da Emater de Glaucilândia, Antônio Dumont, explica que a ideia surgiu nas visitas de rotina feitas pela equipe nas propriedades. “Víamos muitos problemas relacionados ao lixo nos terrenos, como o descarte inadequado próximo às nascentes. Também eram comuns acidentes com crianças, que se cortavam com destroços de ferro velho, e a ingestão de lixo pelos animais”, conta.

 

 

Dumont explica também que este material mal descartado, além de causar acidentes, também pode ser propício para a proliferação de animais e insetos como o mosquito da dengue. Para resolver o problema, a Emater fez uma parceria com a prefeitura de Glaucilândia, que disponibilizou um galpão para a armazenagem de tudo o que é recolhido, além de ajudar no transporte dos materiais, que são posteriormente comercializados.

 

 

Desde a criação do projeto, a Emater já recolheu duas toneladas de alumínio, entre latinhas, panelas e outros itens, uma tonelada de plástico, cinco toneladas de ferro velho, como canos de descarga de carros e partes de geladeiras e fogões, além de meia tonelada de papelão. Em troca, os moradores da cidade já receberam 1.500 mudas de plantas frutíferas como manga, laranja, limão e mexerica, 1.200 pintinhos e 80 kits de hortaliças que contêm, cada um, oito tipos diferentes de leguminosas, como alface, tomate, couve, couve-flor dentre outros.

 

 

Para a produtora Lindalva Dias, de 48 anos, o projeto mudou sua visão em relação ao meio ambiente e voltou seu olhar para os negócios. Ela possui em seu terreno pés de laranja limão e mexerica poncã. “Agora eu mantenho minha roça limpa e ainda estou lucrando, porque essas mudas que ganhamos em troca do material que juntamos têm alto valor. Espero colher os frutos futuramente e até comercializá-los”, comemora.

 

 

Dumont ressalta, ainda, que as mudas de plantas frutíferas são fornecidas por meio de uma parceria entre a Emater-MG, o Instituto Estadual de Florestas (IEF), faculdades e fábricas da região. “Nosso trabalho foi ficando tão sério que agora os produtores, além de trazerem o material reciclável, nos fornecem também sementes, como de pequi, jatobá e cajá-manga, para trocar por mudas de outras plantas frutíferas. As sementes são entregues a nossos parceiros com a finalidade de produzirem mais mudas e assim tornamos esta troca um ciclo contínuo”, ressalta.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.