terça-feira, 5 de Maio de 2015 13:35h

Emater-MG e movimentos sociais debatem ações de assistência técnica e extensão rural em Minas Gerais

A Emater-MG tem promovido uma série de debates sobre o trabalho de assistência técnica e extensão rural em Minas Gerais

O objetivo é ampliar a parceria com diversas instituições e organizações ligadas ao setor, além de estruturar uma agenda de atividades que atenda aos grandes temas e desafios da agropecuária mineira. Pensando nisso, nesta terça-feira (05/05), a Empresa realizou, em Belo Horizonte, o encontro “Mesa de Diálogo”.

Participaram do debate a diretoria executiva da Emater-MG, representantes de movimentos sociais e sindicais, associações, além de técnicos da Empresa. Na abertura do evento, o presidente da Emater-MG, Amarildo Kalil, destacou ações e programas desenvolvidos em diversas áreas como cafeicultura, agroindústria, pecuária, pesca, preservação ambiental, comercialização e outras. A Emater-MG, que está presente em 93% dos municípios de Minas Gerais, atende cerca de 400 mil famílias de agricultores por ano. “Nós buscamos, nesse encontro, ouvir o que essas entidades esperam de nós para que possamos potencializar e qualificar ainda mais o nosso trabalho”, disse o presidente.

O diretor técnico da Emater-MG, João D'Angelis, ressaltou as dificuldades do setor agropecuário e que a atuação da Emater-MG é importante para superar esses desafios. “Isso implica na revisão das estratégias da Empresa e ampliação de nossas parcerias. E a Emater-MG está fazendo isso, abrindo um espaço de diálogo e cooperação com as organizações de movimentos sociais”, afirmou João D'Angelis.

Demandas

Durante o debate, os representantes de cada organização levantaram diversas questões e apresentaram suas demandas. Entre os temas abordados estão: políticas públicas, preservação ambiental, assistência técnica e extensão rural, produção sustentável, alimentos saudáveis e acesso ao mercado. As diversas propostas e sugestões foram registradas em um documento que irá auxiliar a execução de ações e programas da Emater-MG nos próximos anos. “Nós queremos, de uma certa maneira, é inserir o trabalho com os movimentos sociais como uma política pública implementada efetivamente pela Emater-MG”, afirmou o presidente Amarildo Kalil.

A iniciativa da Emater-MG foi elogiada pelos participantes do encontro. Segundo Glauco Régis, membro da Associação Mineira de Agroecologia, a expectativa é que esse diálogo entre a Emater-MG e os movimentos sociais seja ampliado. “Esse é um momento histórico. Não há precedentes de que a Emater-MG tenha realizado outros eventos para escutar as perspectivas do movimento sociais com relação à extensão rural e a Emater-MG. Esperamos que a gente possa também, nas regiões, conversar com os gerentes e coordenadores e com as organizações que atuam nos espaços regionais”, disse.

Também participaram do encontro representantes do Sindicato de Trabalhadores Rurais de Governador Valadares, Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Federação dos Pescadores do Estado de Minas Gerais (FEPAMG), Associação Mineira das Escolas Famílias Agrícolas (Amefa), Federação das Comunidades Quilombolas de Minas Gerais, Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf), GT Gênero e Agroecologia, Cáritas, Centro de Tecnologia Alternativa (CTA), Movimento de Pequenos Agricultores (MPA), Centro Agroecológico Tamanduá (CAT), Articulação do Semiárido de Minas Gerais (ASA).

Ministérios e secretarias

Em abril, a Emater-MG promoveu um encontro com representantes dos ministérios e secretarias de Estado ligados ao trabalho de assistência técnica e extensão rural. O objetivo foi identificar as oportunidades de cooperação entre a empresa e órgãos dos governos estadual e federal. “Com esses encontros estamos estruturando uma agenda de atividades que atenda aos grandes temas e desafios da agropecuária mineira. É importante ampliar o tratamento das questões do campo pela Emater-MG”, destaca Amarildo Kalil.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.