quinta-feira, 7 de Julho de 2016 15:33h Emater-MG

Emater-MG recebe prêmio por valorização da culinária mineira

Empresa desenvolve diversas ações que promovem a gastronomia do Estado

O presidente da Emater-MG, Glenio Martins, recebeu na noite desta terça-feira (05/07) o prêmio Eduardo Frieiro, durante o evento realizado no Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte, para comemorar o Dia da Gastronomia Mineira.

O prêmio foi concedido à Emater-MG pela contribuição prestada pela empresa, ao logo de décadas, na valorização da gastronomia de Minas Gerais. A cozinha mineira é hoje internacionalmente reconhecida e, por toda essa trajetória, em 2012, o Governo do Estado instituiu o Dia da Gastronomia Mineira, celebrado em 5 de julho. Para comemorar a data, está sendo promovida em Belo Horizonte a Semana da Gastronomia Mineira. O evento é realizado pelo Instituto Eduardo Frieiro e da Frente da Gastronomia Mineira, Gestão da Espaço Ampliar e patrocínio da Codemig e Governo de Minas.

 

 


O dia 5 foi escolhido em homenagem ao escritor mineiro Eduardo Frieiro, que lançou, na década de 60, o primeiro livro de gastronomia, chamado “Feijão, Angu e Couve”. O livro trata, entre outros temas, sobre a forma de comer do mineiro. Frieiro também foi membro da Academia Mineira de Letras e fundador da Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa.

“Esse prêmio simboliza o nosso esforço de décadas para melhorar, não só a qualidade dos alimentos, mas também a variedade e a ampliação da oferta. Temos feito um esforço para garantir uma alimentação de qualidade, não só para os mercados institucionais, mas também para os mercados, feiras livres e agora para a inciativa privada, como bares e restaurantes”, disse Glenio Martins.

 

 



Segundo o representante do instituto Eduardo Frieiro e curador do evento, chef Edson Puiati, o prêmio surgiu para valorizar as pessoas que enaltecem os produtos da cultura alimentar mineira. “Pelo interior de Minas temos pessoas que fazem muita coisa pela gastronomia, pessoas premiadas. São cafés, cachaças, cervejas especiais, quitandas. Nós temos uma riqueza enorme em todo o Estado”, destacou o chef.

O coordenador da Frente da Gastronomia Mineira, Agostinho Patrus Filho, ressaltou a importância do produtor rural para a culinária mineira. “Tudo começa no campo, com aquele pequeno produtor, que tira o leite, que faz um queijo espetacular. E a Emater é fundamental neste trabalho, de apoio aos produtores, ao levar novas tecnologias de produção. Assim se inicia a gastronomia, que sai do campo, passa pelo comércio, pela indústria, e chega até aos grandes chefs que transformam este produto feito com tanto carinho em pratos espetaculares”, afirmou.

 

 

 


Ações da Emater

Ao longo de décadas de existência, a Emater-MG desenvolve uma séria de ações para a valorização e promoção da culinária mineira. Um exemplo é o programa Queijo Minas Artesanal. A empresa orienta os produtores sobre adequações das queijarias, higiene na ordenha, tratamento de água, controle sanitário do rebanho, boas práticas agropecuárias, boas práticas de fabricação, exigências da legislação vigente e organização. Cerca de 1.200 produtores são atendidos pelo programa Queijo Minas Artesanal.

O Queijo Minas Artesanal mantém as características de produção artesanal, a partir de mão de obra familiar, com produção em baixa escala e utilização de leite cru. Ele apreciado graças ao conhecimento passado entre gerações e às suas características peculiares. O modo artesanal da fabricação foi registrado como patrimônio cultural imaterial brasileiro pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional.

A Emater também promove o Concurso Estadual do Queijo Minas Artesanal. O concurso deste ano esteve em sua nona edição com a participação de 27 concorrentes. O vencedor foi o queijo da produtora Lúcia Maria de Resende, do município de Tiradentes.

 

 



Festival de pratos de milho

Outra ação da Emater, de grande importância para a valorização da culinária estadual, é o tradicional Festival de Pratos Típicos. Promovido pela empresa em Patos de Minas, no Alto Paranaíba, durante a Fenamilho, ele existe há mais de 30 anos.Na edição deste ano, foram apresentadas mais de 300 receitas feitas a base de milho. O festival valoriza e a importância cultural do milho para o desenvolvimento regional e produção na agricultura familiar.

 



Agroindústria e hortaliças

Queijos, doce de leite, compotas, goiabada, rapadura, farinha, mel, quitandas. Estes produtos são fonte de renda para milhares de pessoas no interior de Minas Gerais, com o apoio da Emater-MG. Atualmente, são 660 agroindústrias familiares no Estado e mais de 3 mil agricultores familiares beneficiados pelo trabalho dos técnicos da empresa.

O a ação dos extensionistas vai desde a orientação na construção de unidades de processamento de alimentos, até capacitações, organização e comercialização. O objetivo é qualificar o trabalho das famílias rurais e agregar valor aos produtos.

 



Outro trabalho desenvolvido pela Emater e destacada pelo chef de cozinha Eduardo Avelar é o resgate de hortaliças não-convencionais, que ajuda a manter viva a história da gastronomia de Minas. “Esse trabalho é muito importante. É a história das nossas famílias. Estes costumes não podem se perder. O resgate, não só das hortaliças como de vários produtos e receitas, é importante para preservar esta cultura. Com as técnicas dos chefs, é possível dar uma nova roupagem aos produtos, preservando esta tradição”.

“Se você cria mercados para as hortaliças não-convencionais, você terá um maior número de produtores investindo nesta área. Esta articulação com donos de restaurantes e chefs de cozinha é fundamental para trocar experiências e apresentar o diagnóstico que possuímos de produtores e de oferta desses produtos”, afirmou o presidente da Emater.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.