quarta-feira, 28 de Janeiro de 2015 11:11h

Equipamentos entregues pela Codevasf facilitam acesso a água em 103 comunidades rurais no Norte de Minas

Cerca de 25 mil pessoas terão o acesso a água para consumo humano e afazeres domésticos facilitado após a distribuição, ao longo de 2014, de mais de 630 mil metros de tubos em PVC e centenas de caixas d’água de fibra de vidro e bombas submersas

Os equipamentos foram entregues pela Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) a 103 comunidades rurais de 35 municípios do Norte de Minas – todos com situação de emergência decretada em 2014 pela Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil do Ministério da Integração Nacional.

A ação visa a distribuição de equipamentos e materiais destinados ao abastecimento de água a pequenas comunidades rurais onde, por faltar água até mesmo para consumo humano, os moradores têm que buscar água em carroças ou com lata na cabeça. As fontes de captação, que na maioria das vezes ficam a mais de cinco quilômetros de distância, são poços tubulares e pequenos barramentos em mananciais naturais.

Segundo o superintendente regional da Codevasf em Minas Gerais, Dimas Rodrigues, foi investido mais de R$ 1,6 milhão oriundo do Orçamento Geral da União e destinado à Codevasf por meio de emendas parlamentares. De acordo com Dimas, essa é uma ação de alto alcance social, sanitário e comunitário, que permite a melhoria da saúde e da qualidade de vida dos beneficiados.

“Com esse trabalho o governo federal, por intermédio da Codevasf, não só está levando água limpa e pura à população rural, como está dando condições ao morador das comunidades beneficiadas de implantar pequenas hortas comunitárias em escolas e creches municipais, visando a complementação alimentar dos alunos e a criação de pequenos animais domésticos como mais uma fonte de renda para os produtores locais”, enfatiza o superintendente regional da Codevasf.

Para a líder comunitária Luiza de Jesus Cardoso Veloso, presidente da Associação dos Moradores de Quilombinhos e Adjacências, do município de Francisco Sá, o material que recebeu da Codevasf atende uma antiga reivindicação dos mais de 120 moradores da comunidade rural, que para ter água em casa buscavam, a vários quilômetros de distância, no rio Vaca Brava, que na maior parte do ano fica totalmente seco.

“Agora, graças a Deus ficou tudo mais fácil, já que temos esse precioso líquido na porta das nossas casas e, tendo como fonte um poço tubular que voltou a funcionar com uma bomba submersa nova e sem os problemas técnicos de quase todos os dias”, diz Luiza de Jesus Veloso.

Para a comunidade ser beneficiada é necessário um procedimento técnico e administrativo executado entre a associação comunitária pleiteante e a Codevasf, que, após receber a solicitação, acompanhada de projeto técnico e topográfico justificando o pleito, faz uma visita à comunidade para estudo socioeconômico da população a ser beneficiada e, só então, por meio de termo de doação assinado entre as partes e publicado no Diário Oficial da União, repassa o material a associação, fiscalizando toda a execução do projeto apresentado.

O engenheiro agrônomo Fernando Britto, chefe de gabinete da Codevasf em Minas Gerais, disse que – com ações dessa natureza, de baixo investimento financeiro e de grande alcance social e comunitário – a Companhia está trilhando o caminho certo na busca de soluções para um dos mais sérios problemas da região do semiárido mineiro, que é a falta de água e, consequentemente, o êxodo rural. “Toda essa ação é feita preventivamente, razão pela qual as comunidades beneficiadas não sentem tanto os efeitos da longa estiagem que assola a região norte mineira”, frisa o engenheiro agrônomo.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.