segunda-feira, 14 de Novembro de 2011 15:10h Atualizado em 15 de Novembro de 2011 às 06:38h. André Bernardes

Escolas estaduais fazem operação tartaruga contra o Governo do Estado

O Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação, Sind-Ute, decidiu em assembleia na última quinta feira, 10, por uma operação tartaruga contra o Governo do Estado. A medida está sendo tomada depois que o governo não cumpriu com as negociações do piso salarial e o pagamento por produtividade do ano passado.


Outros três sindicatos participaram da assembleia, o sindicato dos policiais civis, dos servidores da saúde e dos eletricitários. De acordo com Maria Catarina, coordenadora de departamento e políticas sociais do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação, Sind-UTE, os funcionários do governo estão revoltados. “Nós fizemos um assembleia estadual entre os sindicatos da Polícia Civil, servidores da saúde, o Sind-Ute e o Sind-Eletro, todos esses quatro segmentos revoltados com o governo  Anastasia principalmente pelo não pagamento do prêmio por produtividade, porque  todas essas secretarias já deveriam ter recebido este prêmio, que é pago em setembro e o governo tem empurrado com a barriga” explicou.


Maria Catarina diz que nenhum destes quatro segmentos irá cumprir a meta de 2011e correm o risco de entrar em greve. “Então todos esses quatro segmentos não irão cumprir a meta de 2011, pois esse pagamento é relacionado a meta do ano passado. Na educação vamos boicotar a avaliação do SIMAVE, porque é um elemento importante para o prêmio de produtividade, pois o professor esforça muito para que o aluno tenha boas notas e cada sindicato dentro da sua esfera pode entrar em greve” adiantou Catarina. O sistema mineiro de avaliação da educação pública, SIMAVE, é uma prova aplicada nas escolas para avaliar a educação. Além do boicote, a partir de amanhã, 16, os alunos terão aula apenas até o horário do intervalo. “A educação irá fazer o boicote e o que chamamos de operação tartaruga porque vamos dar aula só até a hora do recreio e depois vamos nos reunir e convocar os pais no dia 17, para que possamos comunicar a comunidade escolar o descaso do governo de Minas com a educação. Não estão cumprindo o acordo e tem professores recebendo o contracheque zerado. Esperamos que o governo entenda que eles não estão lidando com palhaços e sim com uma categoria séria” disse Catarina. A operação tartaruga deve ser mantida até o dia 18. Na próxima semana será realizada mais uma assembleia onde serão discutido os rumos das ações.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.