sábado, 17 de Novembro de 2012 05:23h Gazeta do Oeste

Escolha do novo secretariado de BH terá que agradar os 19 partidos que apoiam Lacerda

O prefeito Marcio Lacerda (PSB) disse nessa sexta-feira que não há nada definido sobre a formação do seu secretariado no próximo mandato. “É tudo especulação. As notícias estão absolutamente infundadas”, afirmou o prefeito. Lacerda, que deu uma entrevista coletiva à imprensa para falar das consequências do temporal que atingiu a capital na quinta-feira, não quis se aprofundar nos assuntos políticos. A costura para a montagem do secretariado promete ser complexa, pois, durante a campanha, Lacerda se coligou a 18 partidos, além de sua própria legenda, o PSB.

Entre os principais estão o PSDB, do senador Aécio Neves, principal padrinho do prefeito, e que tem uma bancada de três vereadores na Câmara: Leo Burguês, Pablito e Pastor Henrique Braga. Outra legenda que deve reivindicar espaço é o PV, do vice Délio Malheiros, que abriu mão da candidatura para compor com Lacerda. Por outro lado, depois de 20 anos, o PT estará fora da prefeitura. A legenda, aliada de Lacerda na eleição de 2008, rompeu com o prefeito na disputa pela reeleição. A cota do partido, que durante a campanha eleitoral foi estimada em 900 cargos de confiança, poderá ser dividida entre todos os apoiadores do prefeito reeleito.

Apesar de Lacerda negar que já tenha iniciado a formação do secretariado para o segundo mandato, na Câmara dos Vereadores parlamentares tratam diariamente das indicações, e muito dificilmente as conversas ainda não chegaram ao prefeito. Para a Educação, por exemplo, o mais cotado é o líder do governo na Casa, Ronaldo Gontijo (PPS), eleito em outubro para o sexto mandato como vereador. O parlamentar já foi administrador da Regional Barreiro, onde mantém base eleitoral, e diretor de escola da rede municipal de ensino.

Entre as pastas com mais de um “candidato” está a secretaria que a prefeitura pretende criar para tratar especificamente da organização da Copa do Mundo em Belo Horizonte, uma das cidades-sede da competição. Os vereadores Pablito (PSDB) e Daniel Nepomuceno (PSB), vice-presidente do Clube Atlético Mineiro, ao menos por enquanto, disputam o cargo. O vencedor poderá ganhar cacife para uma candidatura a deputado estadual em 2014. A secretaria da Copa terá estrutura própria e não terá qualquer ligação com a pasta de Esportes, o que indica a criação de número maior de cargos que também podem ser usados para atendimento a partidos aliados.

Para o comando da Guarda Municipal, o nome mais citado é o do vereador eleito Coronel Piccinini (PSB), um policial militar reformado, categoria que já comanda a corporação desde a administração do prefeito Fernando Pimentel (PT), hoje ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.