sexta-feira, 27 de Julho de 2012 09:23h Gazeta do Oeste

Estado avalia ter Samu para viciados em drogas e álcool

Minas Gerais pode ter uma equipe do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) específica para o atendimento a usuários de drogas e álcool em crise. A mudança ainda está em análise e chega como uma solução para dar um tratamento adequado ao problema, que é de saúde pública e não de segurança. A novidade ainda seria uma maneira de garantir a integridade física dos funcionários do Samu.

 

Os detalhes sobre o trabalho informalmente batizado de Samu-AD ainda estão sendo elaborados. O que se sabe é que a intenção é montar uma equipe de teste, na capital, treinada para lidar com pacientes violentos. Não há previsão da presença de um policial militar no grupo. "A equipe especializada qualificaria o trabalho dos profissionais para lidar melhor com o paciente", afirmou o promotor de saúde do Ministério Público de Minas Gerais (MPMG), Bruno Alexander Soares.

 

O presidente da ONG Defesa Social, Robert William, explica que o tratamento ao usuário precisa ser feito por uma equipe capacitada para lidar, inclusive, com a violência, mas não por policiais e bombeiros. Ele defende que o atendimento seja feito por uma equipe médica, mas que ela também precisa ter sua integridade física preservada.

 

"Quando estão em crise, os viciados costumam ameaçar as pessoas de morte, as famílias chamam, e as equipes do Samu acabam recusando esses casos por segurança. Mas o policial também não pode chegar armado porque esse paciente precisa de um sedativo", disse.


Reunião. A proposta foi discutida na última terça-feira, durante uma reunião do Comitê Supervisor para Cumprimento de Medidas Involuntárias e Compulsórias, que tem representantes de vários órgãos públicos e entidades. Segundo o subsecretário de Políticas sobre Drogas, Cloves Benevides, uma pesquisa em andamento avalia a necessidade da equipe exclusiva. "Estamos levantando o número de atendimentos e o perfil dos pacientes, para sabermos se é viável".

 

 

Ao final do estudo, na segunda quinzena de agosto, os dados serão apresentados ao comitê. O Samu da capital conta hoje com 24 ambulâncias, que atuam em tempo integral. A região metropolitana tem cinco. O número de equipes não foi informado. Não se sabe ainda se mais profissionais serão contratados ou se os atuais serão destacados para o serviço.


Mas a proposta não é unanimidade. De acordo com a gerente de urgência e emergência da Secretaria Municipal de Saúde, Paula Martins, as equipes do Samu já são treinadas para atender pacientes com problemas mentais. "Não há necessidade de uma equipe específica, todas estão aptas a atender essas questões", argumentou a gerente.

 

 

 

 

 

 

O TEMPO

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.