terça-feira, 14 de Julho de 2015 14:29h

Estado contará com comissão para assessorar na elaboração de políticas educacionais indígenas

Servidores da Secretaria de Estado de Educação e lideranças indígenas discutem documento que irá propor a criação da Comissão Estadual de Educação Escolar

Criar uma comissão que terá o papel de assessorar a Secretaria de Estado de Educação (SEE) na formulação e políticas para a educação escolar indígena. Com este objetivo está sendo realizada, nos dias 14 e 15 de julho, a Reunião do Programa de Educação Escolar Indígena. O encontro conta com lideranças e professores indígenas, servidores da SEE e representantes da Fundação Nacional do índio (Funai) e da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Nesses dois dias de reunião, os participantes debatem propostas para a construção de um documento que irá criar a Comissão Estadual de Educação Escolar Indígena. De acordo com a secretária de Estado de Educação, Macaé Evaristo, entre as atribuições do órgão a ser criado estarão dois temas de extrema importância.

“Temos a tarefa de criar essa comissão e atuar em duas linhas de ação: a criação da categoria escolar indígena e a criação da carreira do professor indígena, mas o Estado não pode fazer isso sozinho. Nós temos que escutar os indígenas”, destacou a secretária na abertura do encontro.

Minas Gerais conta com mais de 3.400 alunos indígenas. O atendimento desses estudantes é feito por 17 escolas indígenas distribuídas em 64 endereços. Os estudantes pertencem às etnias Kaxixó, Krenak, Maxakali, Pataxó, Pankararu, Xacriabá, Xucuru-Kariri e Mokurin.

Duas décadas de história

A partir de uma palestra intitulada A Trajetória da Educação Escolar Indígena em Minas Gerais, o secretário municipal de educação de São João das Missões, Francisco Xacriabá, conhecido como Chiquinho Xacriabá, lembrou os desafios e das conquistas indígenas nos últimos 20 anos.

“Fui da primeira turma do magistério indígena que a secretaria ofertou entre 1996 e 1999. Depois de formados, os professores enfrentaram resistência de prefeitos para darem aulas em escolas indígenas. Com esse problema, as escolas indígenas foram estadualizadas”, lembra o indígena.

Chiquinho Xacriabá destacou conquistas como realização desta reunião. “Hoje, o que vivemos é um momento importante para nós indígenas. Estamos em um evento com a presença da secretária e a criação dessa comissão será resultado da luta do movimento indígena e das pessoas que têm o conhecimento da causa da diversidade”, destacou.

Para o diretor e professor da Escola Estadual Indígena Pataxó Muã Miamatxi, em Itapecerica, Siwê Pataxó discutir as especificidades da educação indígena é pensar na construção de novas lideranças. “Os professores têm um perfil de formar lideranças, pois são pessoas comprometidas com seu povo. Por isso entendemos que a educação é o marco de tudo”, destacou o professor.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.