sexta-feira, 11 de Março de 2016 11:12h Agência Minas

Estado e Ministério da Saúde debatem assistência a bebês com microcefalia

Objetivo é discutir os serviços de assistência às crianças nascidas com microcefalia e dar continuidade ao enfrentamento dos agravos gerados pelo Zika vírus

Gestores e técnicos da Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG) se reuniram nesta sexta-feira (11/3), em Belo Horizonte, com representantes do Ministério da Saúde. O objetivo é discutir os serviços de assistência às crianças nascidas com microcefalia e dar continuidade ao enfrentamento dos agravos gerados pelo Zika vírus.

Também participam das discussões representantes do Conselho de Secretarias Municipais de Saúde de Minas Gerais (COSEMS), Conselho Estadual de Saúde e da Secretaria Municipal de Saúde de Belo Horizonte.

 

 

 

De acordo com a representante do Ministério da Saúde, Diana Oliveira, o Ministério tem organizado o enfrentamento dos agravos relacionados ao Zika vírus de forma intersetorial. Isso significa que diversas áreas estão sendo envolvidas em ações de controle do mosquito transmissor da doença, no incentivo à pesquisa e também na assistência às gestantes com Zika e crianças diagnosticadas com microcefalia.

A Subsecretária de Políticas e Ações de Saúde da SES-MG, Maria do Carmo, explicou que Minas Gerais também tem envolvido diversos setores no enfrentamento ao Zika vírus e seus agravos. “O Comitê Gestor Estadual de Políticas de Enfrentamento à Dengue, Chikungunya e Zika Vírus foi criado com objetivo de envolver diversos seguimentos no controle da doença. Nosso desafio é lidar com o enfrentamento ao Zika e seus agravos diante de um estado com grande diversidade cultural, assistencial e grande extensão territorial”, disse.

 

 

 

Durante a reunião, foi apresentada a situação epidemiológica do estado, incluindo o número de casos de Zika vírus, dengue e microcefalia. Também foram discutidas as ações realizadas e programadas no que se refere ao atendimento das gestantes com Zika e bebês diagnosticados com microcefalia.

Já o Secretário Municipal de Saúde de Belo Horizonte, Fabiano Pimenta, reiterou a necessidade dos municípios se mobilizarem no enfrentamento ao Zika e também no cuidado com as crianças com microcefalia. “Precisamos nos preparar para este cenário, para cuidar dos recém-nascidos que podem precisar de um cuidado especializado”, disse.

 

 

Fluxo de atendimento para grávidas com Zika vírus e bebês com microcefalia

Com o objetivo de otimizar a assistência às gestantes diagnosticadas com Zika vírus, a SES-MG elaborou fluxogramas para os serviços de saúde atenderem a seis situações clínicas distintas. Os fluxogramas de atendimento foram criados com base nos protocolos do Ministério da Saúde e definições da Organização Mundial de Saúde. A partir deles é possível otimizar o atendimento de gestantes com possibilidade de diagnóstico para Zika vírus, a reabilitação de recém nascidos com microcefalia, entre outras situações.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.