quinta-feira, 14 de Julho de 2016 13:42h Agência Minas

Estado registra índice de 97% de comprovação da vacinação do rebanho contra febre aftosa em maio

Percentual é ligeiramente superior ao de maio 2015. Vacinação é fundamental para a manutenção do status de área livre da doença com vacinação

Minas Gerais registrou em maio deste ano,  durante a primeira etapa anual de vacinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa, a imunização de 22.740.991 animais, o equivalente a 97,49% do seu plantel.  Este percentual é ligeiramente superior ao registrado na etapa de maio do ano passado, quando o estado contabilizou a vacinação de 96,8% do rebanho. 

Os resultados da etapa de maio foram considerados satisfatórios pelo diretor-geral do Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), Marcílio de Sousa Magalhães, com o argumento de que eles refletem o grau de conscientização e o compromisso dos produtores rurais  de Minas com a vacinação de seus rebanhos. 

 

 

 

Marcílio Magalhães lembra que Minas está há 20 anos sem registro de focos de febre aftosa e ressalta que uma das condições para o estado garantir o status de área livre com vacinação é o cumprimento do calendário oficial de vacinação contra a doença. Essas condições estão contempladas no Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA), que emprega as definições técnicas e científicas estabelecidas por órgãos e instituições internacionais dos quais o Brasil é membro signatário, em especial a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE).

“Essa é uma condição importante para o abastecimento dos mercados mineiro e brasileiro com os produtos da bovinocultura. Além disso, contribui para o desenvolvimento econômico e  social do estado” ponderou Magalhães, lembrando que o status de área livre de aftosa com vacinação é importante também para as vendas internacionais.

 

 

Em 2015 o estado exportou cerca de 100 mil toneladas de carne bovina, com receita equivalente a quase US$ 400 milhões, de acordo com dados do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).

 

 

 

Indicadores importantes

O diretor-geral do IMA argumenta que além de viabilizar as exportações de carne bovina, manter o rebanho mineiro livre de febre aftosa é importante também para a  produção de leite.  Minas possui o segundo maior rebanho de bovinos do Brasil, com cerca de 23,7 milhões de animais, e ocupa a liderança nacional na produção de leite, com aproximadamente 9,3 bilhões de litros/ano. “A imunização dos rebanhos contra a febre aftosa é fundamental para mantermos esses indicadores”, diz. 

A vacinação de bovinos e bubalinos contra a febre aftosa é obrigatória e deve ser  realizada duas vezes por ano nas etapas de vacinação . Além da etapa de maio, quando devem ser vacinados todos os bovinos e bubalinos, independente da idade, em novembro devem ser imunizados aqueles com até dois anos de idade.

 

 

 

Minas Pecuária

O secretário de  Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, João Cruz Reis Filho, também considerou positivos os resultados da vacinação em maio, desempenho que, argumenta, contribui para a competitividade dos produtos da bovinocultura mineira tanto no mercado interno como externo. O dirigente lembra que, nesse sentido,  está em andamento o Programa Minas Pecuária, iniciativa da Seapa, com ações voltadas justamente para a valorização da cadeia produtiva da bovinocultura de Minas.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.