sábado, 17 de Novembro de 2012 05:34h Gazeta do Oeste

Estatísticas da Defesa Civil mostram números assustadores da chuva em Minas

Os números do período chuvoso 2012/21013 em Minas Gerais indicam que a temporada pode ser trágica, caso medidas emergenciais não sejam suficientes para frear prejuízos e estragos. As chuvas mal começaram e o estado já tem 10 mortes, metade de vítimas de todo o período chuvoso do ano passado. Belo Horizonte registrou, na noite de ontem, o primeiro óbito.

Gilmar Almeida de Santana, 48, morreu dentro de um carro que foi arrastado pela enxurrada e caiu em um córrego na Rua Heráclito Mourão de Miranda, no Bairro Castelo, Região Noroeste da capital. O prefeito Marcio Lacerda (PSB) e o chefe da Coordenadoria Municipal de Defesa Civil (Comdec) da capital, coronel Alexandre Lucas, falam sobre a ocorrência em entrevista coletiva nesta sexta-feira. A população aguarda explicações e medidas urgentes depois da tarde chuvosa.

Além de Gilmar, outras noves pessoas morreram em Passos, São Tomé das Letras, Itaguara, Brumadinho, Santa Luzia e Jaboticatubas. Outro óbito, em Elói Mendes, ainda é apurado pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil (Cedec). Os números da chuva em Minas apresentaram um histórico de evolução assustador. Em 2006, 20.869 foram afetadas pelos temporais e no balanço de 2012 esse número chegou a 3.625.962. O número subiu ano ano, o que fez autoridades pensarem e repensarem as ações de Defesa Civil, ainda não suficientes.

Também nos últimos seis anos, 2012 foi o ano com maior número de cidades em situação de emergência (279), sinal de que autoridades das áreas afetadas estão mais atentas ao pedido de socorro e à necessidade de se organizar para pedir verbas de reconstrução. Também na última temporada, o número de feridos foi recorde, 6.321, sendo que em 2008 quando o estado registrou chuvas torrenciais assustadoras o total de feridos foi 483.

A Cedec divulga os números da chuva em relatórios diários. As estatísticas não servem apenas para alertar a população, mas são usadas para traçar estratégias de prevenção. O Estado de Minas mostrou que do ano passado até hoje pouco foi feito para mudar a realidade das áreas de risco e cidades afetadas, assim metade dos municípios mineiros estão em perigo. É responsabilidade de cada município e de sua respectiva Comdec atuar na prevenção contra desastres. A Cedec atua como apoio as essas cidades, ajudando a preparar esse municípios para fazer trabalhos preventivos com a população.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.