sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014 11:22h

Estudante da rede estadual conquista medalha na Olimpíada Brasileira de Língua Portuguesa

Alisson Henrique Bernardes da Silva é aluno do 9º ano do ensino fundamental, da Escola Estadual Professor Salatiel de Almeida, em Muzambinho

Uma lei polêmica da cidade de Muzambinho serviu de inspiração para que o estudante do 9º ano do ensino fundamental Alisson Henrique Bernardes da Silva produzisse uma crônica. O texto do aluno da Escola Estadual Salatiel de Almeida abordou a proibição da criação de galinhas e outros animais na zona urbana da cidade e foi um dos cinco vencedores da edição deste ano da categoria crônica da Olimpíada Brasileira de Língua Portuguesa.

Para Alisson, a premiação é muito importante. “Essa medalha é uma das coisas mais importantes que já aconteceu na minha vida até hoje. É muito grandioso estar entre os cinco finalistas. Esse é um prêmio que é da escola, além de ser um incentivo para eu continuar escrevendo cada vez mais”, conta.

No texto produzido pelo estudante, as galinhas ganham vozes e opinam sobre a nova lei. Ao todo, 20 estudantes brasileiros faturaram prêmios na Olimpíada sendo cinco de cada gênero: crônica, artigo de opinião, memórias literárias e poema. Confira aqui os vencedores de cada categoria.

O texto produzido pelo estudante contou com a orientação da professora de Língua Portuguesa, Maria Hilma Marques Silveira, que também sugeriu o tema abordado. “Achei interessante que os alunos que participaram da Olimpíada escrevessem sobre algo que fosse diferente e peculiar e como essa lei estava movimentando a cidade resolvemos escrever sobre eles”. A educadora ressalta ainda a importância de incentivar a produção dos alunos. “É através do incentivo e da insistência em sala de aula que o aluno chega ao sucesso. Se não tiver esforço, não tem sucesso”, conclui Maria Hilda.

Os 20 alunos vencedores da Olimpíada, cinco em cada categoria, receberam medalhas, um notebook e impressora. Já as escolas receberão dez computadores e um projetor. Para a diretora da escola, Valquíria Helena Magarotto Machado, a premiação do estudante é um incentivo para a escola e os computadores vão ajudar no trabalho em sala de aula. “Ele acabou se tornando um espelho para os colegas. Mostra que quando o estudante se esforça ele pode chegar onde quiser. Sobre os computadores que ganhamos, a escola tem um laboratório muito bom, com 40 computadores. Os dez que vamos ganhar vou colocar em salas de aula para facilitar o trabalho do professor e para que eles possam inovar”, afirma.

A Escola Estadual Professor Salatiel de Almeida atende a 1080 alunos dos anos finais do ensino fundamental e do ensino médio.

Professora destaque

A professora de Língua Portuguesa da Escola Estadual João Lourenço, em Areado, Sirlei de Souza Ribeiro Alves, também foi homenageada como professora destaque da Olimpíada.

Olimpíada de Língua Portuguesa

Iniciativa do Ministério da Educação e da Fundação Itaú Social, com coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), a Olimpíada da Língua Portuguesa Escrevendo o Futuro busca aprimorar a prática dos professores em sala de aula para ajudar os alunos de escolas públicas a evoluir na leitura e na escrita. Nesta edição, foram feitas 170.266 inscrições de professores de 5.014 municípios.

A competição tem caráter bienal e, em anos pares, realiza um concurso de produção de textos que premia as melhores produções de alunos de escolas públicas de todo o país. Participam professores e alunos do 5º ano do ensino fundamental ao 3º ano do ensino médio, nas categorias: Poema no 5º e 6º anos do ensino fundamental; Memórias no 7º e 8º anos do ensino fundamental; Crônica no 9º ano do ensino fundamental e 1º ano ensino médio; Artigo de opinião no 2º e 3º anos do ensino médio. Nos anos ímpares, desenvolve ações de formação presencial e a distância, além da realização de estudos e pesquisas, elaboração e produção de recursos e materiais educativos.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.