segunda-feira, 22 de Outubro de 2012 16:26h Gazeta do Oeste

Facilidade de crédito tem dificultado locação de imóveis em Uberlândia

O mercado favorável da construção civil e a facilidade de crédito têm ajudado muita gente a conquistar o sonho da casa própria. Mas, devido a esses fatores, segundo profissionais do setor, surge a dificuldade em relação à locação de imóveis. Em Uberlândia, no Triângulo Mineiro, as placas de aluga-se estão por toda a cidade.
O presidente do Sindicato da Habitação, Paulo Maurício Carneiro Silva, explicou o motivo da quantidade de imóveis residenciais disponíveis para locação na cidade. “Os juros estão mais baratos e as condições de crédito estão mais fáceis. O mercado mudou e a lei da alienação financiaria trouxe credibilidade para os bancos emprestarem. Se a pessoa vai pagar aluguel de R$ 1 mil e para uma prestação de R$ 1.300, ela vai se sacrificar para pagar pelo que será dela”.
O gerente de uma imobiliária, Ricardo Graciano Costa, afirmou que a oferta de imóveis é maior que a demanda, mas que essa situação não gerou impacto nos preços dos aluguéis. “Nos tivemos nos dois últimos anos um aumento considerável nos aluguéis e agora está estabilizado. Com a quantidade de imóveis desocupados tem estabilizado o valor em relação ao aluguel".
Outra gerente de imobiliária, Lusandra Ferrari, também confirmou que hoje a oferta está maior do que procura. Ela também acredita que as facilidades de compra da casa própria têm contribuído para a quantidade de imóveis à disposição para alugar. “Oscila muito de um mês para o outro, mas há quatro meses caiu bastante o aluguel”.

Na tentativa de alugar o imóvel mais facilmente, muitos proprietários colocam a casa ou o apartamento à disposição de várias imobiliárias. Essa prática, segundo Paulo Maurício é considerada antiética e pode haver punições do Conselho Regional de Corretores. “Legalmente, um corretor não pode colocar placa onde já tem uma. Para isso, ele tem que notificar o corretor dessa evidência. Caso isso não ocorrerá a pessoa pode ser denunciada ao Crea e ser multada”, disse.
Mas, a maior punição para os donos é a depreciação do imóvel por causa do excesso de aluga-se. “Para o imóvel não é bom, pois temos a sensação que tem algo de errado no bem a ser alugado”, complementou Ricardo.
Há dois anos, o desenhista Julielson do Carmo Souza, conseguiu comprar uma casa, por meio do programa de linhas de crédito do Governo Federal. Antes, ele morou cinco anos de aluguel e mais cinco em um imóvel do pai. “Quando eu pagava aluguel os gastos eram de 30% a 40%. Hoje, eu pago cerca de 20% em relação ao valor do aluguel”.
Com essa economia, Julielson amplia a nova moradia e disse que pode usufruir também de outros benefícios. “Hoje, eu posso ampliar o meu imóvel e investir na minha família como um lazer mais, roupa nova e brinquedos”, disse.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.