segunda-feira, 15 de Setembro de 2014 05:18h Aaron Gabriel

FAEMG recomenda mobilização rápida contra surto de tripanossomose

O SISTEMA FAEMG vem informar sobre o surto de tripanossomose bovina, causada pelo Trypanosoma vivax - protozoário que ataca a corrente sanguínea do animal e rouba os nutrientes.

Como consequência, o animal para de se alimentar, fica anêmico e perde peso rapidamente, podendo morrer em até cinco dias.


Em Minas Gerais, já estão sendo registrados casos surto desta doença. A ocorrência mais recente foi na região central do estado, onde cerca de 500 animais morreram. O fato tem tirado o sono dos produtores, devido à proporção do prejuízo que a doença tem causado nos rebanhos infectados

.
Além da preocupação com uma possível expansão do surto para outras regiões, produtores alegam que o enfrentamento à doença se torna mais difícil porque o medicamento eficaz no combate ao protozoário não pode ser comercializado no país.


Porém, segundo dados do setor de Fiscalização de Insumos Pecuários da Superintendência Federal de Agricultura de Minas Gerais (SFA-MG), a importação de grandes quantidades do medicamento está limitada a ocasiões específicas - como pesquisas científicas e programas especiais de defesa animal. Para pessoas físicas, a importação é autorizada em pequenas quantidades.


No caso dos produtores mineiros, que são em sua maioria pessoas físicas, que querem comprar grandes quantidades por meio de estabelecimentos agropecuários e cooperativas, é necessário formalizar o pedido junto ao Departamento de Fiscalização de Insumos Pecuários, na Coordenação de Produtos Veterinários, na sede do MAPA, em Brasília.


Visando dar celeridade no processo de petição para a importação junto ao MAPA, pedimos aos produtores, sindicatos rurais, estabelecimentos agropecuários e/ou cooperativas, que enviem a documentação necessária (ofício e laudo dos RT’s) à FAEMG, que as reunirá e fará o encaminhamento coletivo ao Ministério.


Neste ofício, as entidades deverão contextualizar o problema ocorrido em sua região, descrevendo a urgência na importação do medicamento, e os prejuízos causados aos produtores caso ele não seja importado nos próximos dias.


A documentação deverá incluir ainda o laudo técnico, formulado por Médicos Veterinários (RT - responsáveis técnicos) de suas regiões, com uma coletânea de receituários (laudos veterinários) e contextualização dos seguintes detalhes:


•           Citar a gravidade da doença nos rebanhos mineiros (prejuízos causados aos produtores);
•           Citar qual é a região (municípios) que possui animais enfermos que necessita ser tratado;
•           Mensurar quantos animais precisarão ser tratados;
•           Mensurar a quantidade do medicamento a ser utilizado;
•           Quantificar quantos frascos do medicamento deverá ser importado;
•           Quantificar o período de tratamento;
•           Adicionar informações pontuais que ajudaria na importação do medicamento;
Pedimos celeridade na difusão dessas recomendações junto ao maior número possível de produtores rurais em sua região, e no envio da documentação solicitada à FAEMG. Quanto mais brevemente pudemos tomar as providências, mais agilidade e eficiência teremos para combater o problema.


Informamos ainda que representantes da FAEMG se reunirão com o IMA e com o MAPA na próxima terça-feira, dia 16/09, para tratar do assunto, oferecer apoio e buscar medidas conjuntas com mais agilidade para solução do caso.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.