terça-feira, 3 de Fevereiro de 2015 10:46h Lorena Silva

Faturamento de supermercados mineiros em 2014 fica próximo do esperado

Diminuição das viagens de consumidores, calor intenso e até escassez de chuvas contribuíram para bom desempenho

No ano passado as vendas acumuladas do setor de supermercados em Minas Gerais cresceram 1,96%, se comparadas ao mesmo período de 2013, conforme dados contidos no “Termômetro de Vendas” da Associação Mineira de Supermercados (Amis), quando levada em conta a pesquisa mensal que compara o mesmo número de lojas de um ano com o do anterior.
Já na pesquisa que considera o setor como um todo, incluindo novas lojas abertas em 2014, o crescimento foi de 2,48%. Nos dois casos, os resultados ficaram próximos do que era esperado pela Associação para o segundo semestre do ano passado. Após a Copa do Mundo e as Eleições, a expectativa era de um crescimento anual de 2% no conceito “mesmas lojas” e 2,6% no conceito “setor atualizado.”
Segundo a Amis, as vendas de dezembro de 2014 foram 2,06% maiores que as do ano anterior, o que contribuiu para o acumulado no ano praticamente alcançar os números das expectativas consolidadas no segundo semestre. Na comparação entre dezembro de 2014 e o mês anterior, o crescimento foi de 20,03%, aumento considerado normal, já que dezembro costuma concentrar o maior volume de vendas dos supermercados. A região Centro-Oeste foi a que apresentou o melhor desempenho, com aumento de 26,83% nas vendas.

 

BOM DESEMPENHO
O vice-presidente da Amis, Gilson Teodoro Amaral, relaciona o bom desempenho do setor supermercadista, principalmente na região Centro-Oeste, a três principais fatores. O primeiro deles seria a diminuição de viagens dos consumidores que, sem o deslocamento a outras regiões, acabaram contribuindo para o aumento do faturamento aqui. “Nós percebemos que menos pessoas viajaram, elas ficaram mais por aqui. Ou seja, nós não exportamos o consumo de supermercados para outras regiões litorâneas, ou para outras regiões turísticas”, explica Gilson.
O outro fator estaria relacionado ao clima já que, segundo Gilson, quanto mais calor, mais se consome. Por último, a forte estiagem registrada nos últimos meses também seria um fator que teria influenciado. Isso porque com menos incidência de chuvas, as pessoas acabam saindo mais de casa e, consequentemente, aumentando seu consumo. “Em dias de sol, as pessoas aumentam o consumo. Consomem mais bebidas, carnes, fazem mais churrascos, vão para sítios da região. Então essa escassez de chuvas, que é um fenômeno que vem nos atrapalhar muito, fez com que as pessoas aumentassem o consumo aqui também na região.

 

PERSPECTIVAS
Neste ano, a Amis espera abrir pelo menos 70 pontos de vendas em todo o Estado e reformar outras 75 lojas. Os investimentos previstos são de R$ 300 milhões. De acordo com a Associação, o crescimento do setor para 2015 está estimado em 2% no conceito “mesmas lojas” e 2,6% no conceito amplo. É esperada a geração de 8 mil postos de trabalho, somando aos 166 mil já existentes. O número de lojas passará dos atuais 6.975 para 7.045, ao final do ano.
Para a região Centro-Oeste, Gilson acredita que o crescimento será razoável e que vai depender do desempenho de cada empresário. “Eu acho que o ano de 2015 como um todo, mesmo com todas as dificuldades do cenário econômico e político, vai ser um ano de crescimento, apesar de ser um crescimento ‘tímido’. Em termos de volume, nós deveremos crescer esse ano acredito que em torno de 3% a 4%”, espera.

 

Confira o aumento de vendas em dezembro de 2014 em comparação a novembro, por região
Região Variação
Centro-Oeste 26,83%
Zona da Mata 26,59%
Sul 26,45%
Rio Doce  26,37%
Norte / Noroeste 17,97%
Triângulo / Alto Paranaíba 16,30%
Central 15,05%
Total 20,03%

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.