sexta-feira, 3 de Agosto de 2012 14:50h Gazeta do Oeste

Festival I Love Jazz traz a BH artistas para apresentações gratuitas na Praça do Papa

Belo Horizonte já mostrou que ama o jazz em várias ocasiões. Em sua quarta edição, o Festival Internacional I Love Jazz reconhece a dedicação do público mineiro e oferece três dias de boa música, de graça, no belo cenário da Praça do Papa, aos pés da Serra do Curral. Mais uma vez o foco é a arte feita nos EUA entre os anos 1920 e 1940, com grupos de destaque na cena mundial do jazz. Entre as atrações estão New York All Stars, Dukes of Dixieland e Scott Hamilton Quartet, que vêm brilhando em festivais ao redor do mundo. O evento conta ainda com o grupo mineiro Happy Feet Jazz Band, que marcou presença em todas as edições do I Love Jazz.

A primeira boa constatação do festival é que o jazz, ao contrário do que muitos pensam, é música popular, alegre e dançante, que não tem nada de elitista. A prova é o interesse do público, que vem crescendo a cada ano. A escolha do período destacado pelo festival tem um propósito: identificar na origem do estilo musical uma série de subgenêros que compõem hoje o universo do jazz. Em outras palavras, além de música de qualidade e diversão, o público participa de uma verdadeira aula de história da música popular.

Para o curador do festival, Marcelo Costa, que é trompetista e vocalista da Happy Feet Jazz Band, outro destaque das edições mineiras do festival é a presença maciça de jovens. “A lotação é sempre recorde tanto em Belo Horizonte quanto em Brasília e no Rio. O diferencial está no perfil do público que, em BH, é mais jovem e também mais interessado”, afirma o curador.
Outro bom momento esperado para este ano é a estreia do Trio Caffeine, formado pela cantora lírica Sylvia Klein e pelas cantoras Renata Vanucci e Carolina Rennó. Belas e expressivas, eles prometem recuperar a memória de grupos como as Andrews Sisters, que marcaram a história do jazz em apresentações ao lado de big-bands de sucesso. Para isso, além do arranjos vocais originais e sofisticados, investem na performance.

Os números do festival mostram que a formação de público, além de aprimorar a qualidade, se traduz também na crescente presença de interessados no jazz a cada ano. O primeiro I Love Jazz, em 2009, reuniu 23 mil pessoas nos shows principais e cerca de 9 mil nos pockets, em Belo Horizonte, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília. No ano passado, na terceira edição do festival, os números bateram a marca dos 110 mil pessoas, em apresentações em Belo Horizonte, Brasília, Recife e Rio de Janeiro. Este ano, o I Love Jazz tem programação simultânea em Belo Horizonte, Rio de Janeiro e Brasília.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.