sexta-feira, 4 de Abril de 2014 11:53h Atualizado em 4 de Abril de 2014 às 11:54h.

Fundação Clóvis Salgado realiza mostra 'Trilogia do Silêncio' em Belo Horizonte

Filmes de Ingmar Bergman, que abordam temas relacionados à fé, estarão em exibição, no dia 12 de abril, no Cine Humberto Mauro, no Palácio das Artes.

Conhecidas como "A Trilogia do Silêncio", as obras "Através de um Espelho", "Luz de Inverno" e "O Silêncio" ganham destaque na mostra "Ingmar Bergman – Instante e Eternidade", que acontece, até 12 de maio, no Cine Humberto Mauro, em Belo Horizonte. Os três filmes serão exibidos em 12 de abril e discutem a relação do homem com Deus e os questionamentos da fé. A retrospectiva traz, ainda, a filmografia completa do cineasta sueco e reúne raridades como curtas-metragens, making-offs e peças de teatro com filmagens especialmente concebidas para exibição em TV.

Inicialmente esses filmes não foram pensados por Bergman para constituir uma trilogia, sendo assim, podem ser assistidos separadamente sem nenhum prejuízo à compreensão. Foi no decorrer do processo de filmagem que o diretor percebeu que as obras, filmadas entre 1961 e 1963, também conhecidas como A Trilogia da Fé, apresentavam, como característica comum questionamentos sobre a influência da crença religiosa na vida das pessoas e das formas de manifestação de Deus. “As obras de alguma forma sempre tratam deste silêncio de Deus, imprimindo significação tanto na presença do silêncio quanto em sua ausência”, explica Rafael Ciccarini, gerente de Cinema da Fundação Clóvis Salgado. 

Nos filmes que compõem a Trilogia do Silêncio, o público acompanha diferentes personagens, em momentos e situações de vida variados, mas que têm em comum a característica de sempre refletir sobre a presença de Deus. Em "Através de um Espelho", o drama familiar é o tema central mistura indiferença, isolamento e dúvidas. O filme "Luz de Inverno", por sua vez, narra a história de uma pequena comunidade de fiéis que se abala por uma série de sentimentos como medo, amor, ódio e morte. No centro da trama, um pastor, ao observar toda essa mescla de sentimentos, começa a questionar a própria fé e seu papel frente à comunidade. A trilogia se encerra com "O Silêncio", obra que faz alusão à ausência de Deus ao evidenciar a falta de comunicação dos protagonistas da história.

A religião na filmografia de Bergman

A vasta obra de Ingmar Bergman, que, além dos filmes, apresenta livros, peças teatrais e entrevistas, tem grande aproximação com a vida privada do diretor. Algumas histórias podem ser entendidas como correlatos das experiências do próprio cineasta. Dentre elas, a relação do sueco com Deus que se faz presente em inúmeras películas.

Criado dentro dos rígidos princípios da religião luterana, segundo a qual o homem está fadado ao pecado e à má conduta, Bergman colocou em evidência, em alguns de seus principais filmes, seus próprios questionamentos a respeito da existência ou presença de Deus.

Um dos grandes exemplos da presença desse tema na obra do cineasta é "O Sétimo Selo" (1957). Considerada uma das obras primas do cinema, o filme traz a história de um cavaleiro que após anos de luta nas Cruzadas retorna a seu país, agora devastado pela peste. Ele começa, então, a perder sua fé e a se questionar a respeito da existência de Deus. Nesse momento de sua vida, a Morte vem para buscá-lo. O cavaleiro, então, propõe uma partida de xadrez para ganhar tempo e decidir sua permanência ou não no mundo dos vivos. “No diálogo das personagens, durante a partida, Deus é entendido como um ser invisível, ausente”, explica Rafael Ciccarini.

Ingmar Bergman – Instante e Eternidade

Com 160 sessões, "Ingmar Bergman – Instante e Eternidade" é a maior mostra já realizada na América Latina, com exibição de 78 filmes em formatos 35mm, 16mm, digital e DCP. As cópias, que juntas pesam aproximadamente uma tonelada, foram importadas da Suécia, Inglaterra e Estados Unidos. Nos dias 22 e 23 de abril, será encenada no Grande Teatro do Palácio das Artes a peça Sarabanda, livremente inspirada em Saraband, último filme do diretor, sob a batuta de Grace Passô e Ricardo Alves Jr. Ingmar Bergman.

Serviço:

Mostra Ingmar Bergman – Instante e Eternidade

Trilogia do Silêncio

Local: Cine Humberto Mauro - Palácio das Artes / Fundação Clóvis Salgado
(Endereço: Avenida Afonso Pena, 1.537 – Centro – Belo Horizonte/MG)

Data: 12 de abril

Sessões:
- Através de um espelho - 16h
- Luz de Inverno - 18h
- O silêncio - 20h

Entrada gratuita

Informações para o público: (31) 3236-7400.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.