sábado, 22 de Fevereiro de 2014 06:14h

Fundação Ezequiel Dias investe em tecnologia para encontrar soluções para a saúde

A Funed foi o órgão público mineiro que mais importou no ano passado; investimento evidencia incentivo à produção de novos medicamentos.

A importação de milhões de doses de vacinas contra a Meningite C, além de equipamentos de alta tecnologia, levou a Fundação Ezequiel Dias (Funed) ao topo do ranking das empresas públicas importadoras de Minas Gerais em 2013. Ao todo, foram mais de US$ 60 milhões em investimentos, que fazem parte do processo de transferência tecnológica necessária para a produção de novos medicamentos no Estado. Os dados fazem parte do balanço anual realizado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

O alto investimento realizado também acompanha a expansão do mercado de saúde no Brasil devido a uma série de transições, como o aumento da expectativa de vida e o consumo em relação aos produtos e serviços de saúde, em função do crescimento da classe média.

“Além de ser elemento de cidadania, prevista na constituição, a saúde vem demonstrando potencial de desenvolvimento nacional em outras dimensões, como a econômica e tecnológica”, afirma o presidente da Funed, Francisco Antônio Tavares Junior. Ainda de acordo com ele, o setor saúde alavanca mais de 8% do produto Interno Bruto (PIB) brasileiro e articula a geração de difusão de tecnologia de futuro.

Dados do Portal Saúde, de 2012, revelam que o mercado farmacêutico nacional movimenta R$ 28 bilhões, com alta taxa de crescimento anual, colocando-se entre os 10 maiores do mundo. “O Brasil já era, em 2010, o 8º mercado mundial farmacêutico e, conforme projeção, em 2015 será o 5º ou 6º”, explica o presidente da Funed.

Somente em 2013, foram U$ 61,4 milhões de recursos investidos na importação de produtos e equipamentos advindos do Japão, China, Inglaterra, Estados Unidos, Itália, Alemanha e França, relacionados aos processos de transferência de tecnologia e à produção de produtos biológicos. Na lista global, que considera todas as empresas – públicas e privadas, a Funed ocupa o 35º lugar no ranking de importações no ano passado.

Balança comercial

De acordo com o farmacêutico e assessor da Fundação Ezequiel Dias, Alisson Bruno Luzia, os investimentos realizados pela Funed poderão, a longo prazo, diminuir o déficit da balança comercial do setor da saúde no país, historicamente dependente do mercado externo.

“Nós estamos no processo de transferência de tecnologia. O Brasil ainda é dependente do mercado externo para a produção de medicamentos, como a produção de vacinas, por exemplo. Com esses investimentos, trazendo equipamentos e tecnologias, em alguns anos o país se também poderá se tornar produtor”, avalia.

Pioneirismo mineiro

Em 2005, a Fundação Ezequiel Dias, em conjunto com o Governo de Minas, identificou áreas estratégicas a serem investidas, dentre elas a produção de medicamentos por Biotecnologia, entendendo como benefícios a modernização do seu parque industrial, a inserção no mercado da biotecnologia industrial, a captação e internacionalização de novos conhecimentos e tecnologia e, a possibilidade de ampliação do seu portfólio com inclusão de produtos de alto valor agregado.

Os desdobramentos dessa ação hoje estão concretizados nessas parcerias e na ampliação de ofertas de produtos estratégicos para a saúde. “Atualmente, a Funed está inserida numa nova economia global”, conclui o presidente da instituição, Francisco Antônio Tavares Junior.

A partir de 2008, com o incentivo do Ministério da Saúde através das Parcerias para o Desenvolvimento Produtivo (PDP), o Governo de Minas Gerais intensificou os investimentos no setor. A Funed, laboratório farmacêutico oficial do Estado, participa desde o início do processo de construção do Complexo Econômico Industrial da Saúde - CEIS. A primeira parceria foi firmada em 2009, com a multinacional suíça Novartis, para desenvolvimento da vacina contra meningite. Esta vacina proporcionou um ganho para a população, pois permitiu a disponibilização da vacina para todas as crianças brasileiras menores de dois anos de idade, a partir de 2010, conforme previsto no Programa Nacional de Imunização. Outra PDP de destaque foi feita entre a Funed, Blanver e a Nortec visando o desenvolvimento e transferência de tecnologia do Tenofovir, medicamento utilizado no tratamento da Aids.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.