quinta-feira, 14 de Janeiro de 2016 10:48h ALMG

Gasmig vai fornecer gás natural para o Mercado Central

Obra prevista para este ano garantirá a distribuição da energia limpa, com mais comodidade, tranquilidade e segurança para comerciantes e clientes

A Companhia de Gás de Minas Gerais (Gasmig) ajusta os últimos detalhes para dar mais um importante passo em seus planos de expansão da rede de gás natural. Trata-se da construção de redes internas de distribuição do combustível natural do Mercado Central de Belo Horizonte, referência turística da capital mineira e importante patrimônio histórico e cultural de Minas Gerais.

De acordo com o gerente de Comercialização do Gás Natural Residencial e Comercial da Gasmig, Daniel Rodrigues, a parceria com a administração do Mercado Central está alinhada aos propósitos de modernização e de segurança para uma das áreas mais visitadas da cidade. “Na prática, o Mercado Central vai ser ligado à nossa rede de distribuição e a redistribuição ligada na rede interna do mercado. Será possível abastecer cada estabelecimento com energia limpa, sem necessidade de estoque”, observa.

A ideia inicial do projeto é permitir que os comerciantes e lojistas possam, aos poucos, substituir o sistema de combustível utilizado, como o dos botijões. “A economia estimada, com a utilização do gás natural, é de algo em torno de 15% para os comerciantes. Serão investidos, nesse momento, R$ 190 mil nas intervenções”, destaca Rodrigues.

A Gasmig confirma que, na primeira fase de instalações, poderá atender até 36 estabelecimentos, com um fornecimento mensal de 6.000 m³ de gás natural.

 

 

Prático e seguro

Para o diretor presidente do Mercado Central, José Agostinho (o "Nem do Mercado"), esta é uma ação importante tanto para o mercado, quanto para a Gasmig. "Para nós [do Mercado Central], será muito bom, até porque acaba com os botijões dentro do Mercado. Será mais tranquilo, sem precisar ter botijão e botijão reserva no espaço pequeno que temos nas lojas. O gás virá direto, com toda comodidade", comenta. "Mas, acima de tudo, teremos mais segurança e tranquilidade", reforça.

De fácil dissipação no ambiente em caso de vazamentos (mais leve que o ar) e muito menos inflamável que outros combustíveis, o gás natural é uma alternativa adequada aos comerciantes, que não precisam estocar vasilhames e podem, com isso, ganhar espaço e reduzir riscos. É, por essa razão, um gás mais seguro, sobretudo para um espaço “muito adensado, como é o Mercado Central”, aponta o gerente.

A data de início das obras não está confirmada pela empresa, que ainda realiza acertos no cronograma de execução. De qualquer maneira, a Gasmig confirma que, uma vez iniciada a obra, o tempo estimado de conclusão será de 120 dias. “Em breve, vamos começar a entrar em contato com os lojistas do Mercado, para firmar os contratos individuais de fornecimento do gás natural”, afirma Rodrigues.

 

 

Plano de expansão

As intervenções no Mercado Central seguem a diretriz da Companhia de ampliação de sua rede, para atendimento tanto a clientes residenciais, como também comerciais. Para 2016, indica o gerente Daniel Rodrigues, a companhia também pretende estender sua malha de distribuição, em Belo Horizonte, aos bairros Funcionários, Carmo-Sion, São Pedro, Belvedere, e ao Vila da Serra, em Nova Lima.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.