quinta-feira, 30 de Abril de 2015 11:00h Atualizado em 30 de Abril de 2015 às 11:05h. Carina Lelles

Geraldo Couto é preso em Formiga

O ex-provedor da Santa Casa de Formiga e ex-gestor da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Divinópolis, Geraldo Couto, foi preso no fim da tarde de ontem em uma das empresas da família dele, em Formiga

De acordo com informações, a prisão de Geraldo Couto se deu pelo crime de desobediência, já que havia uma ordem judicial que o proibia de continuar gerindo empresas da família que fossem prestadoras de serviços à Santa Casa.
Com mandado de prisão, os promotores Laurence Albergaria e Clarissa Gobbo, acompanhados de agentes da Polícia Civil foram à casa do ex-provedor, mas ele não estava. No fim da tarde, Geraldo foi encontrado em uma das empresas da família, no Centro da cidade, onde foi preso e levado para a delegacia.
Após ser ouvido, Geraldo Couto foi encaminhado para a Penitenciária de Formiga.

 

O caso
Geraldo foi afastado do cargo de provedor da Santa Casa em dezembro do ano passado, depois da descoberta de um rombo de R$ 16 milhões nos cofres da instituição. O promotor Laurence Albergaria, que pediu o afastamento de Geraldo Couto e toda a Mesa Administrativa da Fundação no período de sua gestão, informou que já foram instaurados 20 inquéritos civis para apurar irregularidades na Santa Casa.
Ainda de acordo com o promotor, os primeiros levantamentos indicam que Geraldo Couto privilegiou empresas ligadas à sua família para contratação de serviços envolvendo recursos acima de R$ 5 milhões.
Laurence Albergaria informou ainda que vários outros crimes, entre eles fraudes em licitação e omissão de socorro, estão sendo apurados em seis procedimentos investigatórios criminais. O promotor confirmou que Couto também é investigado por fraudes em licitações, peculato, omissão de socorro, falsidade ideológica, recusa injustificada de informações, sonegação fiscal, lavagem de dinheiro, entre outros.
Geraldo Couto estava tentando retomar o cargo na Santa Casa e também como diretor da UPA 24h desde janeiro, quando impetrou mandado de segurança contra a decisão da justiça de Formiga de afastá-lo da direção da Fundação. No início de fevereiro, o Tribunal de Justiça se pronunciou, negando provimento ao pedido do ex-provedor. Geraldo Couto tentou outra ferramenta jurídica e no dia 6 de fevereiro interpôs embargos de declaração, que foram rejeitados no dia 24 do mesmo mês.
Couto não se deu por vencido e no dia 13 de março impetrou agravo de instrumento, recurso possível em decisão suscetível de causar à parte lesão grave e de difícil reparação, bem como nos casos de inadmissão da apelação e nos relativos aos efeitos em que a apelação é recebida. Foi a terceira derrota de Couto no TJMG, que negou provimento ao recurso, mantendo seu afastamento da Fundação Santa Casa e, consequentemente, da direção da UPA 24h.

 

Colaboração: Jotha Lee
Crédito: Últimas Notícias

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.