quinta-feira, 3 de Setembro de 2015 10:00h Atualizado em 3 de Setembro de 2015 às 10:03h. Pollyanna Martins

Governo de Minas anuncia intensificação no programa Consultório na Rua

Programa quer garantir o acesso da população que vive na rua aos serviços de saúde, principalmente usuários de álcool e outras drogas

O Governo de Minas anunciou nessa terça-feira (1) que quer ampliar o programa Consultório na Rua. O governo quer garantir o acesso da população que vive na rua aos serviços de saúde, principalmente usuários de álcool e outras drogas, nos municípios que ainda não oferecem o serviço. O Consultório na Rua é composto de, no mínimo, quatro profissionais, e pode ter uma equipe  formada por enfermeiro, auxiliar de enfermagem, psicólogo, assistente social, terapeuta ocupacional, médico, dentista, educador físico, agente social, agente comunitário de saúde, técnico em saúde bucal e profissional de arte e educação.
Os profissionais dessas equipes atuam de forma itinerante nas ruas.  Diariamente, eles realizam consultas, diagnóstico e tratamento de doenças, curativos, imunização por meio de vacinas, medicação e encaminhamento de casos para as Unidades Básicas de Saúde (UBS), para exames e procedimentos necessários. O projeto é custeado pelo Ministério da Saúde, cujos valores repassados por mês direto aos municípios, variam de R$ 19,9 mil a R$ 35,2 mil, por equipe, de acordo com a composição dos profissionais. De acordo com a SES, o governo vai intensificar o apoio aos municípios na implantação de equipes do programa.
A diretora de Políticas de Atenção Primária à Saúde, da SES, Ana Paula Medrado, explica que pelo fato de os moradores de rua apresentarem problemas diversos, as equipes são orientadas a trabalhar em parceria com toda a rede básica, assim como com Centros de Atenção Psicossocial, serviços de Urgência e Emergência,  Sistema Único de Assistência Social e outras instituições públicas e da sociedade civil. "A população de rua, muitas vezes, não tem referência de serviços de saúde e não procura assistência, o que faz com que as doenças se agravem. Então, esse trabalho do Consultório na Rua possibilita o acesso aos serviços de saúde das  Unidades Básicas de Saúde, que são a principal porta de entrada no SUS", ressalta.
Em Divinópolis, os moradores de rua são atendidos por equipes da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social (Semds). Segundo a assessoria de imprensa da Prefeitura, este ano, a equipe de abordagem da Semds conversou com 179 moradores de rua, e todos esses aceitaram ajuda do município. A Semds não tem um número certo de quantos moradores de rua há em Divinópolis, mas observou uma queda no número após a realização das operações da Polícia Militar.

 

CIDADES
O programa Consultório na Rua foi instituído em 2011, pela Política Nacional de Atenção Básica, e estabelece uma equipe para cada grupo de 80 a mil pessoas em situação de rua. Se o número for maior, a cidade poderá ter mais de um Consultório na Rua. Minas Gerais possui, atualmente, 21 municípios dentro desse perfil e, por isso, considerados elegíveis, ou seja, aptos a implantar o projeto. O programa já funciona em Belo Horizonte, Ibirité, Governador Valadares,  Ipatinga, Barbacena, Juiz de Fora, Montes Claros, Janaúba, São Lourenço, Teófilo Otoni,  Uberlândia e Uberaba.

 

Créditos: J.B.Reis

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.