terça-feira, 1 de Dezembro de 2015 11:27h Atualizado em 1 de Dezembro de 2015 às 11:31h.

Governo de Minas Gerais apresenta políticas sustentáveis na Cop 21

Comitiva mineira, liderada pelo vice-governador Antônio Andrade, desembarca em Paris para participar do evento

O vice-governador Antônio Andrade, acompanhado de uma comitiva do Governo de Minas Gerais, desembarca nesta terça-feira (1/12), em Paris, para participar da 21ª Conferência do Clima das Nações Unidas (COP-21), da qual participam 153 chefes de Estado e de governos de todo o mundo. A Conferência é organizada pela Convenção das Nações Unidas sobre a Mudança do Clima (UNFCCC).
Minas Gerais possui iniciativas com a França em diversas áreas, dentre elas a de sustentabilidade, com financiamentos e investimentos no setor produtivo e nas políticas de desenvolvimento sustentável. “Esta é uma grande oportunidade para o Estado mostrar ao mundo os avanços em sustentabilidade, além do modelo de governança integrada e participativa”, justifica o assessor de Relações Internacionais do Governo de Minas Gerais, Rodrigo Perpétuo.
A comitiva do Estado é composta pelo vice-governador Antônio Andrade; pelo secretário de Estado de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães; o diretor-presidente da Companhia de Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais (Codemig), Marco Antônio Castello Branco; o presidente da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), Diogo Soares de Melo Franco; o chefe da Assessoria de Relações Internacionais do Governo, Rodrigo de Oliveira Perpétuo; o gerente de Energia e Mudanças Climáticas da Feam, Felipe Santos de Miranda Nunes, dentre outros.
O Estado terá participação de destaque durante sete dos 12 dias de evento com um stand da Codemig e cerca de três apresentações sobre as ações de políticas sustentáveis. “Vamos mostrar os nossos projetos aos demais governantes, e, especialmente, o Plano Estadual de Energia e Mudanças Climáticas (PEMC), que foi elaborado por meio do acordo de irmandade com a região francesa de Nord-Pas-de-Calais. A parceria foi reconhecida pelos franceses como modelo a ser inspirado por outros governos”, revela Perpétuo.
O Plano de Energia e Mudanças Climáticas (PEMC), coordenado pela Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam) para o período de 2015-2030, é o pontapé inicial para que Minas Gerais reduza a vulnerabilidade às mudanças climáticas e articule as diferentes iniciativas já desenvolvidas, dentro de uma estratégia territorial integrada.
Segundo a Fundação Estadual de Meio Ambiente (Feam), as ações previstas no plano (nas áreas de energia, agricultura, florestas e outros usos do solo, transportes, indústria e resíduos) vão garantir uma redução de 17% a 20% das emissões dos gases de efeito estufa no estado até 2030.
Caso as ações não sejam executadas, estimativas indicam um crescimento de cerca de 60% nas emissões e que os impactos decorrentes das mudanças climáticas para a economia estadual podem alcançar cerca de R$ 450 bilhões. De 2008 a 2014, Minas Gerais já somou prejuízo de mais de R$ 12 bilhões devido aos eventos climáticos.  Veja o plano -  http://pemc.meioambiente.mg.gov.br/
O plano torna-se ainda mais relevante se considerar que a temperatura no território mineiro deve crescer entre 2°C e 4°C no período até 2030, variando conforme a região e a estação do ano. Em cenários mais pessimistas, são projetados aumentos de temperatura ainda mais significativos, com variações médias entre 3°C e 5°C, sendo maiores no Vale Jequitinhonha, Norte e Noroeste, o que pode aumentar ainda mais as desigualdades regionais.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.