quarta-feira, 20 de Março de 2013 11:39h Carla Mariela

Governo Federal lança Programa em defesa da mulher e anuncia verba de R$265 milhões

A deputada estadual, Luzia Ferreira, que já realizou Audiência Pública junto a outras lideranças políticas em Divinópolis defendendo a mulher, comenta sobre a atitude do Governo

A presidente Dilma Rousseff lançou na ultima quarta-feira (13) o programa Mulher: Viver sem Violência, no qual pretende investir R$ 265 milhões para o atendimento de mulheres em situação de violência. O objetivo do programa é criar centros integrados, sendo denominados: Casa da Mulher Brasileira, que oferecerá serviços como, por exemplo: delegacias especializadas de atendimento a mulher, juizados e varas, defensorias, promotorias, equipe psicossocial, assistentes sociais, educadores, serviços públicos de segurança, justiça, saúde, acolhimento, orientação para o trabalho, emprego e renda em todas as 27 capitais brasileiras. O decreto deste programa foi assinado pela presidente no Palácio do Planalto, na parte da manhã.
Em Minas Gerais, o governo do estado, possui um serviço de integração parecido e que já esta em funcionamento. O Centro Integrado de Atendimento a Mulher (CIM), fica localizado na Casa de Direitos Humanos, na capital mineira.
Ontem (19) em entrevista a Gazeta, a deputada estadual Luzia Ferreira (PPS), que já realizou Audiências Públicas sobre a violência contra a mulher, inclusive, em Divinópolis, juntamente com outras lideranças políticas se pronunciou sobre o programa anunciado pelo Governo Federal.
De acordo com a deputada estadual, é preciso sim de punição, de mecanismos mais efetivos. Conforme a deputada, já existem aproximadamente 40.000 processos aguardando julgamentos do ano passado. Ela afirmou que estas ações vindas do governo vai ajudar para que os julgamentos dos processos sejam mais ágeis.
Luzia Ferreira ainda lembrou das tornozeleiras eletrônicas que visa monitorar o agressor. Segundo a deputada antes era mais difícil de monitorar, mas agora tornou-se possível. “Hoje ficou mais fácil, porque antes até as famílias mais antigas não tinham a coragem de denunciar os agressores. Atualmente as mulheres estão tendo mais coragem, porque sabem que serão amparadas”, disse.
Ainda segundo Luzia os homens estão mais sujeitos a violência na rua, as mulheres são mais ameaçadas dentro de suas casas. Para ela, a lei Maria da Penha esta mais efetiva, além disso já há uma consciência na sociedade de que a mulher não pode mais ser omissa. “A própria vítima hoje pode acionar a polícia reforçando as solicitações de proteção. É necessário sim a criação de mais varas especializadas para proteger estas mulheres”, encerrou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.