quarta-feira, 14 de Setembro de 2011 13:13h Atualizado em 14 de Setembro de 2011 às 13:16h. André Bernardes

Grupo de Adoção de Divinópolis representa o Estado em encontro no Rio de Janeiro

Três grupos de adoção do Brasil participarão de um encontro internacional no Rio de Janeiro nesta próxima sexta, 16, junto com juízes e membros da “Frente da Adoção” para discutir assuntos relacionados a adoção no Brasil e a simplificação do processo.


A empresária Sandra Amaral,  presidente do Grupo de Apoio a Adoção de Volta para Casa, conta que o grupo foi convidado pelo escritor Gabriel Chalita para participar do encontro que contará com a presença de juízes. “Nosso grupo está fazendo parte da frente parlamentar em defesa da família, presidida pelo senador Magno Malta. Fomos convidados pelo Gabriel Chalita, fazer parte da frente pró-adoção, um trabalho muito bonito e nós do grupo estamos nos bastidores” contou.


Na reunião estará o grupo de Divinópolis, o grupo Quintal de Ana e Ana Gonzaga, ambos do Rio de Janeiro, o senador Aécio Neves e outras autoridades. “Fomos convidados pela Ministra Eliana Calmon no Conselho Nacional de Justiça para fazer uma parceria” disse Sandra.


Ela divide o tempo de empresária, com o grupo onde realiza o trabalho voluntário. Sandra tem uma filha de quinze anos adotada e vê a importância deste encontro. Com o grande passo dado pelo grupo, a voluntária diz que irá precisar dedicar mais tempo. “Em novembro vou me afastar da empresa para me dedicar a frente. Tenho que realizar o encontro estadual de Minas Gerais dos grupos de apoio. O Doutor Nicolau do CNJ vai estar aqui e quero trazer o Gabriel Chalita, pois ele quer tanto fazer o bem e deu certo. Ele é um dos mais comprometidos” contou.


No encontro, famílias que estão a espera para adotar uma criança irão fazer relatos, junto com famílias que já adotaram. O objetivo é que as autoridades competentes reconheçam o que precisa ser mudado na lei adoção. “Lá vai ter relatos de quem está na fila, experiências, denúncias, para quem pode mudar a lei saber o que está acontecendo e mudar. Antes ninguém falava de crianças de abrigo, mas fomos jogando sementes de amor e agora é a colheita” disse.


Sandra revelou que o grande problema que os grupos enfrentam é preparar os pais para que adotem crianças que muitas pessoas não querem. “É triste falar isso, mas tem crianças que as famílias não querem. Muitos casais querem aquilo que a natureza negou e buscam uma criança perfeita. As crianças de cor, mais velhas e com alguma doença ninguém quer e nós conscientizamos as famílias para isso” disse Sandra. O Grupo de Apoio a Adoção de Volta para Casa acompanha famílias que querem adotar uma criança em todo o processo de treinamento, burocrático e acompanhamento depois da adoção. Quem precisar do auxílio do Grupo pode ligar no número 3222-4410.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.