quarta-feira, 30 de Março de 2016 12:52h Agência Minas

Hábitos para prevenir a gripe devem começar já nesta época do ano

O clima mais frio e seco contribui para o aumento da circulação dos vírus da gripe. A prevenção, nesses casos, continua sendo a melhor forma de evitar a doença

Gripe e resfriado são quadros comuns na época do frio. Baixas temperaturas e muitas pessoas em ambientes fechados favorecem a transmissão dos vírus. Por isso, a Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG), reforça a importância das medidas de prevenção. São hábitos que reduzem muito o risco de contaminação.

 

 

 

Veja como é simples evitar o contágio:

- Lavar bem as mãos com água e sabão, com frequência

- Utilizar o antebraço ou o lenço de papel quando for tossir ou espirrar (evitando assim cobrir a boca com as mãos)

- Evitar tocar os olhos, boca e nariz após contato com superfícies;

- Não compartilhar objetos de uso pessoal

- Manter os ambientes bem ventilados são algumas das medidas que podem ser tomadas por todos.

 

 

 

A coordenadora estadual de Doenças e Agravos Transmissíveis da SES, Tatiane Bettoni, explica que a maioria dos casos de gripe são leves e se resolvem espontaneamente sem sequelas ou complicações. “Nos grupos mais vulneráveis, idosos, crianças ou portadores de alguma doença, os casos tem mais chance de se complicar. Daí a importância de uma vigilância ativa nesse público”.

 

 

 

Campanha de vacinação

Em Minas Gerais, a Campanha de Vacinação será realizada entre os dias 30 de abril e 20 de maio, nas mais de 3.854 salas de vacinação do estado. Ao todo, serão disponibilizadas para Minas Gerais o total de 5.278.400 doses da vacina contra gripe. O grupo prioritário é composto por 4.933.081 pessoas, entre idosos (acima de 60 anos), gestantes, mulheres no período de até 45 dias após o parto (em puerpério), crianças entre seis meses e menos de 5 anos de idade, profissionais de saúde, indígenas, além dos doentes crônicos, como pessoas com diabetes, asma, bronquite e hipertensão, dentre outros grupos.

Para a referência técnica de Influenza da SES-MG, Luciene Rocha, mesmo com a vacina contra a gripe disponível na rede pública de saúde, as mudanças de hábitos são essenciais para evitar a proliferação da doença. “A vacina tem como objetivo evitar os casos graves e os óbitos provocados pela gripe. Por isso, seguindo a recomendação da Organização Mundial da Saúde (OMS), vacinamos os grupos com maior vulnerabilidade para as complicações e óbitos”, afirma.

 

 

 

Diferença entre gripe e resfriado

A gripe é causada pelo vírus da Influenza que, por sua vez, se subdivide nos tipos A, B ou C. Historicamente, os vírus do tipo A provocam os quadros mais graves, por sua variabilidade genética. O tipo A inclui, por exemplo, os subtipos H1N1, H3N2 e H5N1. Enquanto isso, os resfriados são causados por diversos outros tipos de vírus, como os rhinovírus, mais brandos que os da gripe.

O resfriado comum é também chamado de coriza aguda e se caracteriza pela inflamação das vias aéreas superiores, com obstrução nasal e/ou tosse. Geralmente a pessoa com resfriado não tem febre. Já a síndrome gripal é a doença aguda, com duração máxima de cinco dias, e apresenta quadros de febre, acompanhada de tosse ou dor de garganta e também com infecção aguda das vias aéreas superiores (faringe, laringe, amídala e traqueia).

 

 

 

H1N1

A gripe H1N1, ou influenza A, é um tipo do vírus influenza, causador da gripe. O vírus é resultado da combinação de segmentos genéticos do vírus humano da gripe, do vírus da gripe aviária e do vírus da gripe suína. Desde 2009, ano em que o H1N1 de origem suína atingiu a população humana, sete variações distintas deste vírus foram identificadas. Estas variações vão se substituindo sucessivamente no ciclo de transmissão, substituindo as variantes genéticas mais antigas. Por isso, anualmente, a OMS recomenda uma determinada formulação da vacina para cada hemisfério, com base nos vírus que estão circulando na população naquele momento. A vacina protege contra os três subtipos do vírus da gripe que mais circularam no inverno passado que são: Influenza A (H1N1); Influenza A (H3N2) e Influenza B.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.