terça-feira, 24 de Fevereiro de 2015 10:32h Atualizado em 24 de Fevereiro de 2015 às 10:35h. Lorena Silva

Horário de verão gera economia de 0,5% de energia em Minas Gerais

Economia representa o suficiente para abastecer Belo Horizonte por nove dias

A economia no consumo de energia gerada durante todo o período do horário de verão foi de 0,5%, apontou a Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig). A economia representa 108.000 Megawatt-hora (MWh) ou o suficiente para abastecer a cidade de Belo Horizonte durante nove dias. A medida terminou à zero hora do último domingo, quando os relógios em dez estados e no Distrito Federal foram atrasados em uma hora.
De acordo com a Cemig, durante os 126 dias de vigência do horário de verão, a companhia verificou em sua área de concessão uma redução da demanda diária de 4%, o que equivale a 350 MWh. No ano passado, com uma semana a menos de vigência da medida, a economia foi a mesma – 0,5% no consumo de energia e 4% de redução da demanda diária.
Para o superintendente de Planejamento e Operação de Geração e Transmissão da Cemig, Nelson Benício Araújo, o principal benefício do horário de verão é a redução da demanda máxima no sistema, o que significa um aumento da reserva operativa, com o consequente aumento da confiabilidade e segurança para a operação do Sistema Integrado Nacional.
"Para os consumidores residenciais e comerciais, a economia é percebida na menor utilização da iluminação artificial. Eles poderiam ter um consumo de até 30 horas a mais por mês com a iluminação, caso não houvesse o horário de verão", destaca o superintendente.
Segundo informações do Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS), a redução de consumo proporcionada pelo horário de verão é incorporada ao armazenamento dos reservatórios das usinas hidrelétricas do país, agregando 0,4% ao armazenamento da região Sudeste e Centro-Oeste e 1,1% ao armazenamento da região Sul.

 

HORÁRIO DE VERÃO
Por meio do Decreto Federal 6.558, desde 2008 foram determinadas as datas para o início e o término do horário de verão. Todos os anos a medida entra em vigor sempre à zero hora do terceiro domingo de outubro e se estende até o terceiro domingo de fevereiro. De acordo com o decreto, no ano em que houver coincidência entre o domingo previsto para o término do horário de verão e o carnaval, o encerramento ocorre no final de semana seguinte, como foi o caso deste ano.
A determinação do horário de verão para este período se justifica pelo fato dos dias serem mais longos no verão e mais curtos no inverno. Fora do período em que é adotado, a economia de energia com a iluminação é menor e o horário de verão passa a não ter mais o mesmo efeito.

 

ECONOMIA CONTÍNUA
Mesmo com o fim da medida, alguns hábitos podem ser tomados pelos consumidores para continuar economizando energia. Segundo a Cemig, além de reduzir a conta de energia no fim do mês, a população pode ajudar o país a se recuperar de um ano cujas condições hidrológicas foram desfavoráveis.
Uma medida simples é mudar a chave de temperatura do chuveiro para o modo verão durante essa época do ano. Isso porque ele é um dos equipamentos que mais consome energia devido à sua alta potência. Mudando o seletor de temperatura da posição "inverno" para a posição "verão" a potência é reduzida em 30%, proporcionando uma redução no consumo ao final do mês de até 10%.
Outro eletrodoméstico que consome muita energia é a geladeira, devido ao seu tempo diário de uso. Um equipamento em bom estado funciona doze horas por dia, ou seja, 360 horas por mês. No entanto, é comum encontrar geladeiras em más condições de conservação funcionando mais de 600 horas por mês.
Já com relação ao ar condicionado, o ideal é que ele seja ligado depois que o consumidor tenha certeza de que o ambiente que vai ser climatizado esteja totalmente fechado, verificando portas e janelas. Além disso, o aparelho deve ser dimensionado de acordo com a área do local.

 

Crédito: Lorena Silva

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.