quarta-feira, 9 de Outubro de 2013 10:44h

IMA institui normas para a produção e exportação do limão Tahiti

A partir de agora, os produtores de frutos destinados à exportação deverão requerer seu cadastro e adesão junto ao IMA

Considerando a importância social e econômica do limão Tahiti em Minas Gerais e a necessidade de atender às exigências fitossanitárias de países importadores como a União Europeia, o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA), instituiu através da Portaria nº 1.349/2013, o Sistema Estadual de Produção de Citrus latifólia Tanaka (lima ácida - limão Tahiti) no Estado, para regular o comércio interestadual e a exportação de frutos in natura.

A produção no Sistema Estadual de Limão Tahiti deverá atender os procedimentos estabelecidos para o controle das pragas Mosca Negra (Aleurocanthus woglumi), Cancro Cítrico (Xanthomonas citri subsp. citri), Pinta Preta (Guignardia citricarpa), Verrugose (Elsinoe spp.) e Mosca-das-Frutas (Tephritidae – não europeu). Tais pragas causam prejuízos econômicos aos produtores rurais e são fatores limitantes para exportação.

Algumas das medidas de controle e prevenção de pragas previstas nesta portaria são a utilização de mudas em conformidade fitossanitária, provenientes de viveiros inscritos no Registro Nacional de Sementes e Mudas (RENASEM) do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), bem como a utilização de material de colheita e equipamentos pertencentes estritamente à propriedade ou devidamente desinfestados quando anteriormente utilizados em outro local.

Caberá ao IMA realizar levantamentos fitossanitários anuais das pragas dos citrus e daquelas exigidas por países importadores, visando delimitar oficialmente as áreas destinadas à exportação do limão Tahiti. Os resultados deverão ser informados à Superintendência Federal de Agricultura em Minas Gerais (SFA/MG).

A partir de agora, os produtores de frutos de limão Tahiti destinados à exportação deverão requerer seu cadastro e adesão ao Sistema junto ao IMA, através da Gerência de Defesa Sanitária Vegetal (GDV). Os frutos procedentes de unidades produtoras cadastradas no Instituto devem ser produzidos, manipulados, classificados, embalados, armazenados e transportados de forma que sejam garantidas a idoneidade, rastreabilidade e a conformidade fitossanitária dos frutos.

De acordo com o diretor-geral do IMA, Altino Rodrigues Neto, Minas é o primeiro estado a implantar o Sistema. “O Sistema Estadual de Produção de Citrus latifólia Tanaka tem como objetivo atender as normas de exportação, além de legitimar e padronizar os critérios para a manutenção da qualidade dos produtos ofertados em Minas Gerais”.

Produção e exportação

Segundo um levantamento realizado pelo IMA no ano de 2012, a citricultura mineira ocupa o 4º lugar no ranking de produção de frutas cítricas no Brasil. A região Norte de Minas, por exemplo, tem sido grande exportadora para a comunidade europeia. De acordo com dados da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa-MG) em 2012, a produção de limão em Minas alcançou mais de 88 mil toneladas, com destaque para os municípios de Matias Cardoso, Jaíba, Uberaba , Belo Vale e Janaúba.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.