segunda-feira, 27 de Junho de 2016 14:43h Agência Minas

IMA vai fiscalizar cerca de 700 propriedades no vazio sanitário da soja em Minas Gerais entre julho e setembro

Medida completa 10 anos e tem contribuído para o controle da ferrugem asiática. Produção do grão em Minas deve crescer 30% neste ano

Começa na próxima sexta-feira (1/7) o período do vazio sanitário da soja, que prosseguirá até 30 de setembro em todo o território mineiro. Durante 90 dias estará proibido o plantio deste grão no estado, exceto para as situações previstas na legislação e desde que autorizado pelo Comitê Estadual para Controle da Ferrugem Asiática da Soja, presidido pelo Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA)

O IMA prevê fiscalizar aproximadamente 700 propriedades rurais em todo o estado durante os 90 dias de vigência do vazio sanitário.

 

 

 

A medida está estabelecida pela Resolução nº 1.393/2015 da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa)e Portaria nº 1503/2015 do IMA. O objetivo é prevenir e controlar a ferrugem asiática, praga causada pelo fungo Phakopsorapachyrhizi e que destrói a planta infectada.

Além da proibição de novos plantios, durante o vazio deverão ser exterminadas todas as plantas vivas remanescentes de safras anteriores, o que poderá ser feito com a utilização de produtos químicos ou outras formas de erradicação.

 

 

 

O produtor que for notificado pelo IMA por manter a planta na sua lavoura e que não exterminá-la em prazo de 10 dias após a notificação estará sujeito a multa de 1,5 mil Unidades Fiscais do Estado de Minas Gerais (Ufemgs), o equivalente a R$ 4.516,35.

 

 

 

Poucas autuações

Este será o décimo ano consecutivo em que o vazio sanitário da soja é realizado em Minas Gerais, desde que foi instituído em 2007. O gerente de Defesa Sanitária Vegetal do IMA, engenheiro agrônomo Nataniel Diniz Nogueira, argumenta que ao longo dos últimos nove anos o IMA fiscalizou 4.530 propriedades rurais com plantações do grão  em todo o estado.

Do total fiscalizado o instituto realizou 715 notificações, casos onde foi constatada a presença da planta na propriedade. Destes, somente 41 produtores receberam autos de infração, que são aqueles casos em que o agricultor, depois de notificado, não erradicou a planta no prazo de 10 dias estipulado pelo IMA.

 

 

 

“Estes 41 autos de infração emitidos em nove anos representam apenas 0,9% do total de propriedades fiscalizadas. É um número pequeno e demonstra que o produtor rural de Minas aderiu ao vazio sanitário, consciente da sua importância para que as lavouras estejam livres da doença e se mantenham produtivas”, argumenta Nataniel Nogueira.

“É um trabalho em parceria entre o IMA, que orienta e fiscaliza, e o produtor, que cumpre a sua parte, pois sabe que é o braço direito do estado nesse processo de controle e prevenção à doença”, enfatiza o engenheiro agrônomo.

 

 

 

Sem hospedeiros

Nataniel Nogueira explica que o vazio sanitário permite que as lavouras permaneçam 90 dias sem os pés de soja e, dessa forma, estejam livres dos hospedeiros, evitando ou diminuindo a incidência  da praga na safra posterior. 

Ele relata que a disseminação da doença é feita pelo vento e que apenas uma planta com o fungo é capaz de reproduzir milhões de uredosporos (unidades de reprodução), com capacidade para atingir as plantações de diversas propriedades.

 

 

 

Safra maior

Minas Gerais é o sexto maior produtor de soja do Brasil, com 4,7 milhões  de toneladas previstas para a safra 2016, um crescimento  de cerca de 30% no volume de produção em relação às 3,3 milhões de toneladas de 2015.

Os dados são do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa).

As principais regiões produtoras no estado são Noroeste, Triângulo e Alto Paranaíba. O grão é cultivado também no Sul de Minas Gerais e vem registrando expansão para o Sudoeste do estado.

© 2009-2016. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.