sexta-feira, 8 de Julho de 2011 16:37h Atualizado em 11 de Julho de 2011 às 09:47h. Sarah Rodrigues

Indústria comemora retorno integral do ICMS

Repasse é reivindicação antiga da classe

O governador Antônio Anastasia assinou decreto que estabelece que o ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) recolhido pelas indústrias de bens de capital (maquinários e equipamentos), instaladas em Minas Gerais, retorne integralmente e de uma só vez às empresas. A assinatura do decreto que ocorreu na quinta feira (07) contou com a presença do secretário adjunto da Fazenda, Pedro Meneguetti, do presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg), Olavo Machado, e de vários vice-presidentes de Minas.


Com a medida, Minas Gerais estimula as aquisições de bens de capital no Estado, viabilizando a renovação do seu parque industrial, garantindo a oferta de empregos e fomentando toda cadeia produtiva do setor. O decreto terá validade para o ICMS destacado nas notas fiscais de aquisição de produtos no período de 1º de agosto de 2011 a 31 de dezembro de 2012.


Segundo o presidente da Fiemg Regional, Afonso Gonzaga, que participou da assinatura do decreto o repasse era uma reivindicação antiga da classe e poderá aumentar a competitividade da empresa mineira. “Nós havíamos pedido ao governador já a mais tempo e era que buscássemos o aproveitamento do ICMS na compra dos ativos das indústrias, e o governador consciente das necessidades da indústria, pertinente à nossa solicitação liberou decreto”. Ele enfatizou que a medida é bem vinda. “A partir de agora, todas as empresas poderão fazer o aproveitamento do ICMS para toda compra de equipamentos, para que sejam utilizados na indústria”.


Gonzaga ressalta que a reunião foi marcada de última hora, mas toda a classe industriária mineira ganhará com o decreto.“Nós estivemos na reunião com o secretário de finanças do estado, o presidente da federação e vários vice-presidentes da região metropolitana, porque foi uma reunião realmente marcada em cima da hora, mas estivemos prestigiando e com certeza isso será de grande ganho para a indústria mineira”, frisou.


O presidente avalia que será uma grande economia para as indústrias.“Isso representa uma diminuição de custos, ou seja, é poder sim usar o crédito do ICMS dentro do seu faturamento durante o mês de aquisição do equipamento”, explicou.


Afonso observa que não há como medir o quanto se economizará com o repasse, mas o decreto causará uma redução muito grande em toda a indústria brasileira, como uma reação em cadeia. “Não temos como avaliar o quanto se economiza, porque Minas Gerais é um estado que realmente tem um volume enorme de investimento e vai depender do investimento de cada empresa. Mas, nós sabemos perfeitamente que isso será uma redução enorme no custo industrial brasileiro”, acrescentou o presidente.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.