sexta-feira, 27 de Julho de 2012 09:28h Gazeta do Oeste

Infraero aponta falhas nas obras de ampliação do Aeroporto de Confins

A Infraero, em uma correspondência interna do dia 9 de julho, admite que a ausência do projeto executivo é a principal causa do atraso nas obras do Aeroporto de Confins

A Empresa Brasileira de Infraestrutura Aeroportuária (Infraero), em uma correspondência interna do dia 9 de julho, admite que a ausência do projeto executivo é a principal causa do atraso nas obras do Aeroporto Internacional Tancredo Neves (Confins). Mas, no mesmo documento, acusa a construtora Marquise/Normatel de falhas na execução do serviço e afirma que a fiscalização encontrou "vários retrabalhos".

 

 

No documento, a gerência de empreendimentos da Infraero em Confins aponta que a fiscalização da obra encontrou falhas como a execução de alguns blocos de fundação em desacordo com o projeto encaminhado ao consórcio, erro no prumo do primeiro plano de concretagem da parte superior da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) e falha na execução do nível de enchimento de piso no terraço.

 

Neste mesmo documento, a Infraero solicita que a construtora contrate mais mão-de-obra e corrija as falhas, "no sentido de reduzir o refazimento de serviços executados, impedindo a ocorrência de novos atrasos".

 

 

Ainda neste ofício, a Infraero diz que a ausência dos projetos executivos "não justifica os retrabalhos". Mas, na visão da construtora, essa é a principal causa do não-cumprimento do cronograma, posição mostrada em documentos divulgados pelo O TEMPO na última segunda-feira. A empresa se defende, em ofício com data do dia 16 de julho, dizendo que os trabalhos tiveram orientação de engenheiros da Infraero. Diz também que, no caso do terraço, não houve falha e afirma que o procedimento seguiu a especificação da Infraero.

 

As irregularidades nas obras já realizadas foram motivo de denúncia apresentada pelo Sindicato Nacional dos Empregados em Empresas Administradoras de Aeroportos (Sina) ao Ministério Público Federal (MPF), na última terça-feira. Segundo o diretor Leandro Pinheiro, o Sina recebeu denúncia de um erro na execução dos pilares do estacionamento, que foram feitos fora de alinhamento e pode gerar prejuízo de R$ 2 milhões para a Infraero.

 

 

A Infraero informou ontem, por meio da assessoria de imprensa, que só se manifestará após receber notificação do MPF. Informou ainda que já está agendada para a semana que vem uma reunião com a construtora, para tratar do andamento da obra. Já a Marquise, por meio de nota, disse que "como prestadora de serviço, não comenta a relação com a contratante".

 

Segundo a Infraero, até o dia 30 de junho, 9% da ampliação e da modernização de Confins tinham sido realizadas. A obra começou em setembro de 2011 e tem conclusão prevista em contrato para dezembro de 2013.

 

 

 

 

 

 

O TEMPO

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.