sexta-feira, 31 de Maio de 2013 07:29h Agencia Minas

Investidores e empresários franceses se interessam pelas oportunidades oferecidas por Minas Gerais

Governador Antonio Anastasia proferiu palestra no Medef, instituição que representa os empresários da França, e mostrou que o Estado é um dos melhores para se investir

Quem já investe em Minas Gerais está satisfeito e pretende ampliar as participações e parcerias. Aos que ainda não estão em Minas, os interesses se ampliam a cada acesso a informações sobre as possibilidades de negócios oferecidas. A afirmação é do vice-presidente e diretor geral do Medef Internacional, Thierry Courtaigne, durante seminário de promoção comercial de Minas Gerais, na sede do Mouvement des Entreprises de France (Medef), nesta quinta-feira (30/05), em Paris (França).

     O governador Antonio Anastasia proferiu palestra para mais de 50 investidores e empresários franceses, mostrando que Minas Gerais é um dos estados brasileiros mais preparados para receber empresas e investimentos nos diversos segmentos da chamada “nova economia”, como biotecnologia, microeletrônica, tecnologia da informação, indústria aeroespacial e energia renovável. O Medef é a instituição que representa os empresários da França, semelhante à Confederação Nacional da Indústria (CNI).

          Anastasia apresentou os resultados de Minas e as oportunidades de negócios. "Mostramos nossos bons resultados em educação, saúde e infraestrutura. Conseguimos demonstrar, inclusive, o crescimento econômico de Minas nos últimos anos, maior que o do Brasil, e que os investimentos lá realizados têm retorno. Os empresários se interessaram pelas novas PPPs que apresentamos, com a possibilidade da exploração da nova fronteira do gás, a questão de energia, de saneamento, entre tantos outros. Estamos muito esperançosos porque os investidores europeus procuram novos mercados e Minas é, sem dúvida, uma alternativa muito positiva para esses investimentos", destacou.

       "Minas Gerais tem números expressivos. Amanhã é o Dia da América Latina na França e essa foi uma ocasião ótima para aprofundar nosso relacionamento e conhecer as potencialidades desse grande Estado. Empresários franceses que investem em Minas estão felizes e satisfeitos e sabem quem podem contar com o governo quando precisam. Percebo que o Estado está em primeiro lugar em todos os índices e queremos entender como acontece isso. E devido a uma excelente gestão pública, é a terra que mais acolhe investidores estrangeiros. Seu compromisso em aumentar esses investimentos, oferecendo boas oportunidades de negócios e infraestrutura adequada, é seu grande diferencial", disse o presidente do Medef.

        O presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais, Olavo Machado, também presente na Conferência, destacou a importância das parcerias entre empresas francesas e brasileiras. "Temos um governo no qual nós, empresários, confiamos, além de uma  infraestrutura muito grande de apoio às empresas. Trabalhamos para que pequenas e médias empresas francesas possam se juntar às pequenas e médias empresas brasileiras. Temos no Brasil aquilo que as empresas precisam: mercado. Vamos, juntos, identificar as oportunidades", ressaltou Olavo Machado.

Comércio bilateral

Entre 2003 e 2012, houve crescimento de 144,2% do comércio bilateral entre Minas Gerais e França. As exportações cresceram 69,7% e as importações 427,4%. No ano passado, a corrente de comércio entre Minas e França foi de US$ 668,49 milhões. O superávit comercial mineiro foi de US$ 34,74 milhões. Para Minas Gerais, em 2012, a França foi o 14º parceiro comercial nas exportações e o 9º nas importações. Em relação ao ranking de estados brasileiros, Minas Gerais é o 5º que mais exporta para a França e o 4º que mais importa.

De acordo com o conselheiro do Comércio Exterior da França, Charles-Henry Chenut, cuja missão é o de reforçar os laços entre o Brasil e a França, o potencial de Minas Gerais para receber mais investimentos é enorme. mas, para isso, o Estado precisa se tornar mais conhecido.

"O Brasil é, certamente, um dos melhores países do mundo para investir. Os investimentos franceses vão, em primeiro lugar, para o Brasil, antes de irem para China ou Rússia. É um país que oferece uma garantia democrática, segurança jurídica, atratividade da economia e outro fato importantíssimo que é a proximidade cultural. Minas Gerais tem uma imagem muito boa, mas precisa se internacionalizar, tornar-se conhecida para vender mais. Por isso, a importância de eventos como esse. Muitas empresas francesas que querem o Brasil vão direto para Minas", explicou.

Para o governador, que está na França também para aprofundar as relações com empresas francesas que já têm atuação em Minas Gerais, a transferência de tecnologia francesa é fundamental para o Estado.

"Precisamos avançar na questão tecnológica para agregar valor aos nossos produtos. Minas Gerais não quer mais só expandir a venda de minério de ferro sem a agregação de valor. A tecnologia francesa é muito importante. Queremos vender produtos que tenham valor mais robusto. Por isso, nosso esforço em buscar tecnologia para melhorar a pauta de exportação de Minas para a França e para o mundo, e poder gerar renda maior para os mineiros", ressaltou Anastasia.

Acompanhado pelos secretários de Estado Dorothea Werneck (Desenvolvimento Econômico), Renata Vilhena (Planejamento e Gestão), Gustavo Magalhães (Secretaria Geral) e pelo presidente do BDMG, Matheus Cotta, o governador e os dirigentes do Estado também participaram de um debate, respondendo a questionamentos dos investidores. O seminário contou com o apoio da Câmara de Comércio Brasil-França.

"O resultado desses encontros com empresários estrangeiros são incríveis. Muitos ainda não conhecem nosso Estado e ficam surpresos com os resultados que apresentamos. Em conversas, um empresário, após conhecer nosso Estado, brincou dizendo que 'amanhã vamos para Minas'. Esses resultados nos interessam, são importantes e acho que acertamos no nosso objetivo", disse secretária Dorothéa Werneck.

Polo aeronáutico

Na noite de quarta-feira (29/05), o governador se encontrou com dirigentes da Eurocopter,  indústria global de helicópteros, empresa que controla a Helibrás, instalada em Itajubá, no Sul de Minas. O Estado detém 25% das ações da Helibrás, única fábrica de helicópteros da América Latina, que fez uma recente obra de expansão e que já está produzindo helicópteros militares".

Durante o encontro, que contou com a presença da secretária Dorothéa Werneck, do presidente do BDMG, Matheus Cotta e do presidente da Fiemg, Olavo Machado, foi discutida a questão relativa à implantação do Centro de Tecnologia e Capacitação de Helicópteros, o CTCH, em Minas Gerais, com o objetivo de transferir tecnologia.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.