segunda-feira, 13 de Abril de 2015 11:05h

Jovem do FICA VIVO! é convidado a ensinar capoeira na França

Gabriel Nascimento Ferreira ajuda a difundir a arte para crianças e adolescentes no Aglomerado Santa Lúcia, em Belo Horizonte

O adolescente Gabriel Nascimento Ferreira, de 17 anos, conhecido como Molinha, vai para a França dar aulas de capoeira. O apelido foi dado aos cinco anos pela flexibilidade do corpo, o que favorece a execução dos movimentos da capoeira. Molinha ficará inicialmente por três meses no país europeu, com possibilidade de estender a permanência.

“Eu era um pedacinho de gente quando comecei a jogar capoeira. O Programa FICA VIVO! me ajudou a continuar firme no esporte e manter o pensamento e ações para atitudes saudáveis”, relata Gabriel, que hoje tem 1,81m de altura e ajuda a ensinar a arte para crianças e adolescentes, incluindo seu irmão Mateus, de oito anos, conhecido como Louva-Deus, na Oficina de Capoeira do programa no Aglomerado Santa Lúcia, em Belo Horizonte. Os apelidos são uma tradição na capoeira. Não se trata de bullying, explica o professor e oficineiro Márcio, que desde a implantação do FICA VIVO!, em 2006, acompanha Gabriel e muitos outros jovens e crianças.

Assim como nas outras atividades oferecidas pelos Centros de Prevenção à Criminalidade da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds), o papel do oficineiro vai além de ensinar, no caso, a capoeira, que é dança e luta ao mesmo tempo. “Procuro sempre conversar sobre a importância de buscar os caminhos corretos na vida. Não se envolver com drogas, estudar e respeitar a família.”

As oficinas favorecem e estimulam o acesso dos jovens aos serviços e espaços públicos, o exercício do direito de ir e vir,  além de discutir temas relacionados à cidadania e aos direitos humanos e criar espaços de resolução de conflitos e rivalidades.

Descoberta

O primeiro contato de Gabriel com a capoeira deu-se na rua José Bonifácio, perto da Praça do Amor, no Aglomerado Santa Lúcia. Da porta de casa, o menino viu passar o Mestre Pantera, que hoje ensina a arte em Barcelona, na Espanha, vestido com a roupa branca, a corda na cintura, acompanhado de vários alunos, caminhando em direção a uma quadra de esportes.

A cena se repetia quase todos os dias até que Gabriel tomou coragem. Convidou-os a entrar para pedir aos pais para participar do grupo de capoeira. “Consegui autorização, pois meu pai tinha sido capoeirista e deu todo o apoio. Virei um fominha das aulas, chegava antes da hora e fazia duas aulas seguidas.”

Gabriel lembra que, na época, dois movimentos da capoeira executados pelo Mestre Pantera o impressionaram: o Aú e o Macaco. O primeiro é conhecido pelos leigos por estrela, no qual o capoeirista ergue as pernas apoiando as mãos no chão, fica de ponta cabeça com as pernas abertas e em seguida cai com uma perna, depois com a outra, fazendo um semicírculo no ar. Já o Macaco consiste em apoiar uma mão no chão, atrás do corpo agachado e saltar apoiando a outra mão, levando os dois pés juntos ou separados.

“Ali, a capoeira virou paixão. E é isso que vou levar para a França. Estou ansioso demais, quase não consigo dormir com a proximidade da viagem. Jamais imaginei que um dia iria ensinar o Aú, o Macaco e tantos outros movimentos fora do Brasil’, revela o futuro professor.

Em 2008, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) elevou a capoeira à condição de Patrimônio Cultural Brasileiro. Em novembro de 2014 foi a vez da Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (Unesco) reconhecer a capoeira como Patrimônio Cultural da Humanidade.

Abrangência

O Programa FICA VIVO! está presente nas quatro vilas que compõem o Aglomerado Santa Lúcia: Estrela, Barragem, Santa Rita de Cássia e São Bento. São oferecidas 11 oficinas que incluem atividades esportivas e artísticas, atendendo a cerca de 300 jovens por mês. A gestora do Centro de Prevenção à Criminalidade Santa Lúcia e Serra, Mayesse Parizi, explica que não há necessidade de inscrição e nem data de fim ou começo das oficinas. “O objetivo é atender aos jovens a qualquer momento que eles cheguem, o importante é acolher e integrá-los nos grupos”, diz Mayesse.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.