terça-feira, 30 de Junho de 2015 13:53h

Lâmpadas de 60 watts deixam de ser vendidas no Brasil

As lâmpadas incandescentes de 60 Watts (W) deixarão de ser comercializadas no Brasil, nesta quarta-feira (1/7), em conformidade com mais uma fase da legislação que restringe a produção, importação e comercialização de lâmpadas incandescentes

Desde o ano passado, não se podia mais fabricar ou importar as lâmpadas incandescentes de 60 W e agora esse tipo de lâmpada, mais tradicional no uso domestico, não poderá ser mais vendida pelo comércio. A regulamentação consta na Portaria Interministerial n° 1007/2010, do Ministério de Minas e Energia.

Com base nessa portaria, as lâmpadas incandescentes com potência de 15 a 40 W ainda terão uma sobrevida de um ano, prazo máximo que os varejistas terão para comercializar seus estoques. Essa medida segue o cronograma da portaria 1007/2010 que fixou índices mínimos de eficiência luminosa para fabricação, importação e comercialização das lâmpadas incandescentes de uso geral em território brasileiro. Vale ressaltar que as lâmpadas incandescentes de potência acima de 75 W já não estavam sendo comercializadas no Brasil.

A substituição desse modelo pode ser feita com vantagens pela lâmpada fluorescente compacta (LFC) de 15 watts que possui uma durabilidade até seis vezes maior A diferença de preço da LFC é amortizada em até três meses, caso a utilização seja de três horas por dia. Essas lâmpadas também poderão ser substituídas pelas de LED de 11 W, cuja vida útil pode chegar a trinta e três vezes mais que as incandescentes.

Economia de energia
De acordo com estimativa da Companhia Energética de Minas Gerais - Cemig, ainda devem existir cerca de 16 milhões de lâmpadas de 60 watts em Minas Gerais. Considerando a substituição dessas lâmpadas pelas fluorescentes compactas de 15 watts, teríamos uma redução de 45 watts por unidade, proporcionando uma redução de quase 6% da capacidade total da Empresa ao final.

"Em um mês, a economia de energia poderia representar um montante de 72 GWh/mês, que seria suficiente para atender uma cidade de 600 mil habitantes, do porte de Uberlândia ou Contagem (MG).  Já para uma família que tem um consumo médio de 120 kWh/mês e possua instaladas quatro lâmpadas de 60 watts, a substituição pelas LFCs pode representar uma economia de 15% no valor da conta de energia", explica o gerente de Eficiência Energética da Cemig, Leonardo Rivetti.

Essa e outras medidas são importantes para o consumo consciente da energia no Brasil. Seguindo essa tendência, o Programa Energia Inteligente, da Cemig, é focado na eficiência energética e promoção de ações voltadas para uso consciente e eficaz da energia elétrica, ações muito importantes principalmente neste  ano de condições hidrológicas desfavoráveis.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.