quinta-feira, 7 de Julho de 2011 09:39h Atualizado em 7 de Julho de 2011 às 09:41h. Venilton Ferreira

Lançada nova campanha Desarmamento

Ministério da Justiça lança campanha na Assembleia

Foi lançada nesta terça-feira (5) em Belo Horizonte a Campanha do Desarmamento 2011 – “Tire uma arma do futuro do Brasil”. O secretário de Estado de Defesa Social, Lafayette Andrada, e o secretário-executivo do Ministério da Justiça - MJ e coordenador nacional da Campanha do Desarmamento, Luiz Paulo Barreto, assinaram um Termo de Cooperação Técnica entre União e Estado, que inclui as forças de defesa social de Minas Gerais, com destaque para a Polícia Civil e a Polícia Militar, na rede de recebimento das armas. A solenidade que deu início à campanha aconteceu no Teatro da Assembleia Legislativa, na capital mineira.


A Polícia Militar terá cerca de 100 postos de arrecadação, que funcionarão em batalhões e companhias independentes. Já a Polícia Civil contará com 72 postos, localizados nas delegacias regionais do Estado. Atualmente, a Polícia Federal conta com oito locais de coleta na capital e interior.


De acordo com o secretário, em virtude do tamanho do território mineiro e para aumentar a capacidade da campanha, a Secretaria de Estado de Defesa Social - Seds, por meio das polícias, vai elaborar um desenho lógico de uma rede, onde as cidades polos do Estado vão coordenar as cidades satélites. “Nós conseguiremos que mais de 100 cidades estejam presentes de maneira efetiva na Campanha do Desarmamento, em 2011”, disse.


Novidades


A Campanha do Desarmamento foi lançada no país no dia 6 de maio. Em dois meses já foram devolvidas aproximadamente 12 mil armas, segundo dados do Ministério da Justiça. Em Minas Gerais, de acordo com a Polícia Federal, de janeiro a até hoje, 630 armas foram entregues.


Neste ano, a campanha traz novidades em relação às realizadas anteriormente, como a inutilização da arma já no ato da entrega, a ampliação dos postos de recolhimento e a participação efetiva da sociedade. Além das delegacias de Polícia Civil e dos quartéis de Polícia Militar, que passam agora ter posto de recolhimento, o Ministério da Justiça irá cadastrar organizações não governamentais (ONGs), associações de bairros e igrejas para receberem as armas e munições.


No ato da entrega das armas, a pessoa irá receber um cupom com a numeração do equipamento e 24 horas depois poderá sacar o dinheiro em qualquer agência do Banco do Brasil. O valor vai variar entre R$100,00 e R$300,00, dependendo do tipo de arma entregue. O procedimento é mais um diferencial, já que em campanhas anteriores havia uma demora de até três meses para receber a indenização. O cidadão que entregar a arma de fogo, acessório ou munição não necessitará ser identificado.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.