sexta-feira, 20 de Janeiro de 2012 18:12h Atualizado em 21 de Janeiro de 2012 às 19:42h. André Bernardes

Mais de trinta projetos de Divinópolis são aprovados na Lei Estadual de Incentivo a Cultura

O Governo de Minas publicou na última sexta, 13, a lista de aprovados na Lei Estadual de Incentivo a Cultura para 2012. Divinópolis contará com diversos projetos culturais, o aumento no setor cultural do município se deve aos inúmeros incentivos aprovados pelos governos Estadual e Municipal, através das leis de incentivo a cultura.
Em todo o estado foram aprovados 1673 projetos, destes, 34 são de Divinópolis. Em relação ao ano de 2010, houve um aumento de 70%, quando foram aprovados apenas 20 projetos. O secretário de Cultura, Bernardo Rodrigues, acredita que esse aumento se deve pelo amadurecimento do setor cultural no município. “Nós tivemos em janeiro o resultado das duas leis de incentivo, a municipal, contemplando 16 projetos e a estadual com 34 projetos. Isso mostra um amadurecimento do setor cultural, dos artistas, dos produtores culturais de Divinópolis que tem conseguido uma aprovação significativa, mas devemos saber que esse é o primeiro passo. A outra metade do caminho é a captação destes recursos e nós da prefeitura estamos planejando algumas estratégias para a conscientização do empresariado local sobre a importância de investir em cultura, os pontos positivos para a empresa e para a cidade e dessa forma garantir que esses projetos aprovados sejam executados” disse.
No ano passado, a captação dos recursos para a lei estadual foi de R$2,7 milhões e este ano com o aumento de projetos irá para R$6,1 milhões, um aumento de 125%.
O músico Walter Caetano teve o seu projeto aprovado, a realização do 3º Festival de Música de Divinópolis. O festival que acontece todo mês de janeiro, esse ano será realizado em julho para as comemorações do Centenário. O festival trará músicos de renome internacional para Divinópolis, além de aprendizes de todo o Brasil e irá oferecer oficinas de música e apresentação gratuitas na cidade. Walter diz que sem a lei de incentivo seria impossível realizar um projeto desse porte, que somente no ano passado houve 200 inscritos para as oficinas e um público de 30 mil pessoas. “É muito importante, pois viabiliza e profissionaliza o setor cultural. Sem essa lei seria praticamente impossível realizar um festival deste tamanho” disse. Segundo o músico, a parte de captação é a mais difícil porque existe muita demanda e poucas empresas para apoiar.
Bernardo Rodrigues conta que a prefeitura está planejando uma ação visando reunir os empresários e conscientizá-los sobre a lei. O empresário que financia o projeto tem isenção fiscal. “Nós vamos trazer uma equipe da secretaria de estado da Cultura e da Fazenda para uma reunião com empresários que podem de fato patrocinar, para que a gente esclareça assuntos sobre a lei e facilitar o entendimento sobre como funciona a renúncia fiscal e dessa forma amenizar um pouco esse caminho entre a aprovação e a captação” disse o secretário.
Esse mês também foi divulgada a lista de aprovados pela lei municipal de incentivo a cultura, que liberou R$280mil para a captação de recursos. A lista completa dos aprovados se encontra no site do governo www.cultura.mg.gov.br

 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.