sexta-feira, 20 de Janeiro de 2012 18:20h Atualizado em 21 de Janeiro de 2012 às 19:42h. André Bernardes

Mais escolas devem aderir ao PEAS em 2012

O Programa Educacional de Atenção ao Jovem (PEAS), que visa trabalhar a autonomia e participação dos jovens dentro das escolas deve se expandir em 2012. O programa do Governo Estadual deverá ser inserido também nas escolas do centro de detenção de menores.
O programa não é obrigatório dentro das escolas, mas se ela decidir participar são formados grupos de até trinta alunos e professores que gerenciam o projeto. Estes professores passam por uma capacitação em Belo Horizonte e transmitem a este grupo de alunos que em seguida repassam para o restante dos alunos da escola. Vitória Porto, analista educacional da superintendência de ensino diz que o programa fomenta a autonomia do jovem na sociedade. “O programa busca atender os adolescentes nos anos finais, do sexto ao nono ano e do ensino médio. Ele trabalha o protagonismo juvenil e promove o desenvolvimento social e pessoal do adolescente, em caráter participativo e educativo, onde a escola coloca no máximo 30 alunos, pois trabalham com oficinas. Os alunos são sensibilizados com três temas, a afetividade e sexualidade, cidadania e perspectiva de vida, e formação cidadã. Eles direcionam o projeto” explicou Vitória.
O PEAS atende hoje 17477 alunos, 5998 professores e 500 escolas. Sob a responsabilidade da superintendência de Divinópolis, são 30 municípios com 22 escolas participantes. Cinco são de Divinópolis. “É o único projeto voltado especificamente para os jovens. Como é um ambiente democrático e participativo, as pessoas modificam o pensar, discutem vários pontos e isso facilita que o jovem veja de outra forma uma coisa que ele tinha preconceito. O material é muito rico, temos parceria com a Polícia Militar, a secretária de Saúde” conta a analista educacional.
Os jovens montam projetos relacionados aos temas e recebem R$ 6mil reais para o desenvolvimento. Com esse dinheiro, eles podem fazer viagens e comprar materiais para as oficinas. “Em Divinópolis temos cinco escolas onde eles recebem R$ 6mil para fazer viagens, montar oficinas, elaboram o projeto, a secretaria envia o dinheiro e eles podem comprar material permanente e de consumo. Todas as escolas  em que há o PEAS, é muito gratificante pois eles conseguem perceber a questão da autonomia, ficam mais politizados e percebem a força jovem que eles tem. O professor gerencia mas quem faz a ações são eles. A maioria das escolas tem o jornal que trabalha a leitura e a escrita, é uma forma diferenciada de educar” explicou.
Para este ano Vitória conta que deve aumentar o número de escolas participantes e existe um projeto para que todas as escolas do centro de detenções de menores se tornem PEAS. “Nossa superintendência é que tem o maior número de escolas. Porém tem três anos que não tem edital. O coordenador ganha para trabalhar com os adolescentes. O retorno para escola é prazeroso. É no contra turno, mas quando algo precisa ser feito no horário de aula a escola e nem o aluno não perdem. Vamos ampliar as escolas, as casas de menores estão tentando fazer uma parceria para que as escolas sejam automaticamente PEAS” explicou.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.