quarta-feira, 16 de Setembro de 2015 12:02h Atualizado em 16 de Setembro de 2015 às 12:05h.

Manutenção de equipamentos gera economia no campo. Confira as dicas da Cemig

Maquinário com alto consumo, sem conservação e mal utilizado, é o principal fator do desperdício. Dicas simples ajudam a reduzir gastos

Cerca de 20% da energia gasta no campo em Minas poderia ser economizada com pequenos cuidados. Maquinário com alto consumo, sem manutenção e mal utilizado, é o principal fator desse desperdício, alerta o gerente de Eficiência Energética da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), Leonardo Resende.
O problema ocorre porque, segundo ele, nem sempre é possível trocar ou atualizar os equipamentos, que têm custo alto.  Por isso, o caminho é manter as máquinas em bom estado de conservação, reduzir tempo de consumo e quando da possibilidade de substituição, optar por aparelhos com menor potência, se possível , ou ainda de melhor rendimento.

Projetos

A energia elétrica tem impacto direto nos custos da agropecuária e pesa especialmente no bolso do pequeno produtor, mesmo com a tarifa mais barata que a praticada na área urbana. Um único sistema de irrigação, por exemplo, pode consumir mais de 20 vezes o consumo de uma residência. Este sistema, se utilizado no horário da tarifa noturna (entre 21h30 e 6h), obtém muita economia financeira, pois os descontos são de 90% no valor da tarifa.
Pensando nisso, a Cemig investiu R$ 19 milhões em um projeto que trocou cerca de 1.300 sistemas de irrigação antigos no município de Jaíba, no Norte de Minas. “A automação incentivou e facilitou a utilização da tarifa noturna, diminuindo custo de produção e melhorando a qualidade de vida dos produtores”, relata o técnico de Soluções Energéticas da CEMIG, Frederico Stark. Neste período, há menor perda de água por evaporação e menos influência do vento, aumentando a eficiência da utilização da água.
O produtor rural Arnóbio Gonçalves foi um dos beneficiados com a instalação do relógio noturno e a troca do sistema de irrigação em seus cinco hectares de terra. “Minha economia de energia hoje é de 72%, porque a máquina molha as plantas à noite. Com isso, meu custo de produção caiu bastante”, conta.

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.