terça-feira, 13 de Março de 2012 09:30h Atualizado em 13 de Março de 2012 às 10:17h. Vinícius Soares

Minas é o segundo estado que melhor remunera os professores

Pesquisa foi realizada pela Folha de São Paulo e Agência Brasil; O estado só perde pro Distrito Federal

Mesmo após o MEC reajustar em 22% o valor do piso salarial nacional da educação básica – que passou de R$ 1.187,00 para R$ 1.451,00, para uma jornada de 40 horas semanais – Minas Gerais é o Estado que paga o segundo melhor salário para professores no país. É o que revela levantamento divulgado nessa quinta-feira (8) pela Agência Brasil, a agência de notícias do Governo Federal. A pesquisa ganhou destaque nos principais órgãos de imprensa do país. De acordo como o levantamento, que foi feito a partir de informações repassadas pelas secretarias estaduais de Educação das 27 unidades da Federação, o Governo de Minas paga uma remuneração inicial equivalente a R$ 2.200,00 aos professores da rede pública estadual, se considerada a proporcionalidade para a jornada de 40 horas semanais prevista na lei do piso nacional. No ranking divulgado pela Agência Brasil, Minas fica atrás apenas do Distrito Federal, onde a remuneração inicial dos professores é de R$ 2.134,00 para jornada de 40 horas semanais. Na última segunda-feira (5), outro levantamento feito pelo jornal Folha de São Paulo já tinha destacado Minas Gerais como um dos estados brasileiros que paga melhores salários aos professores da educação básica. É importante ressaltar que, atualmente, a Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais (SEE) só recruta professores com nível superior de escolaridade. O salário inicial desses professores é de R$ 1.320,00 para uma jornada semanal de 24 horas semanais. Aplicada a proporcionalidade para a jornada de 40 horas semanais, este valor corresponde a R$ 2.200,00, conforme divulgou a Agência Brasil. Trata-se, portanto, de uma remuneração 52% superior ao piso nacional estabelecido e já reajustado pelo MEC, que é de R$ 1.451,00. Além disso, no próximo mês de abril, todos os profissionais da Educação de Minas Gerais terão um reajuste de 5% em seus salários, conforme estabelecido no projeto que instituiu o modelo unificado de remuneração dos professores e que entrou em vigor em janeiro deste ano. Com este reajuste, os professores de Minas Gerais terão salários praticamente idênticos aos do Distrito Federal, primeiro colocado no ranking de remuneração. A última reunião sobre o assunto foi debatida na Assembléia Legislativa de Minas Gerais no dia 23 de Novembro do ano passado, aonde foi decidido por 53 votos a favor a implantação do aumento do piso salarial dos professores, sendo assim o projeto de Lei 2355/11 foi aprovado. A Diretora do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais em Divinópolis SindUTE-MG e também professora,  Maria Catarina, disse que a pesquisa é fajuta, pois o piso salarial é menos da metade do que foi citado no levantamento e também revelou uma paralisação para os dias 14, 15 e 16 de março por parte das 32 escolas estaduais de Divinópolis em coação com as municipais. “A média do piso salarial não é nem metade do que deveria ser e o maior piso salarial é do estado de Roraima e não do Distrito Federal, ou seja, só por ai já se vê o equívoco do levantamento. Para este ano, o Governador do Estado, Anastasia prometeu somente 5% de reajuste e isto só para os professores que ingressarem na profissão a partir da mudança. Profissionais iguais a mim que já servem ao Estado por mais anos, não serão beneficiados. Por essas e outras, na próxima quarta-feira, (14/03) até sexta-feira, (16/03), haverá uma paralisação.” revelou Catarina.

Uma das porta-vozes da Secretaria de Educação de Divinópolis, Vânia Noronha, não foi encontrada pela nossa equipe de reportagem até o fechamento desta edição.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.