terça-feira, 5 de Fevereiro de 2013 04:34h

Minas Gerais disputa liderança do setor de Tecnologia da Informação no Brasil

A alavanca para se atingir este objetivo será a conquista, pelo Estado, de uma das aceleradoras de empresas de TI

Minas Gerais e, especialmente Belo Horizonte, trabalham para ocupar uma posição de liderança no setor de Tecnologia da Informação (TI) no país. A alavanca para se atingir este grau de excelência será a conquista, pelo Estado, de uma das aceleradoras de empresas de TI, cujo edital foi lançado pelo Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, e o prazo para o encerramento das propostas terminou dia 31 de janeiro. O processo tem a liderança do Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Sectes), em parceria com entidades representativas do setor.
“Duvido que algum outro Estado tenha conseguido, neste período que antecedeu a formalização do processo do edital, arregimentar forças e convergir fatores tão positivos como Minas Gerais na busca da conquista desta aceleradora”, afirmou o secretário Narcio Rodrigues após se reunir e conquistar o apoio do presidente da Operadora de Telefonia OI, Otávio Azevedo Marques. Na quarta-feira (30), ele se reuniu, em Brasília, com o ministro de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Marco Antônio Raupp, para defender a proposta mineira.

 

APOIOS


Anteriormente, o próprio secretário já havia conquistado sustentação ao projeto do presidente da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), Olavo Machado, e do Conselho Estratégico da entidade; do prefeito de Belo Horizonte, Marcio Lacerda; de grandes empresas de TI que atuam em Minas e do próprio Governo Federal.
“Vamos criar em Minas um conglomerado de empresas de TI de classe mundial. Precisamos, para atingir este objetivo, de uma aceleradora de empresas de tecnologia de informação com conexões mundiais”, acrescentou Narcio Rodrigues. Para isso, o Governo do Estado criou o programa MG TI 2022, derivação do programa TI Maior do Governo Federal, que estabelece metas a serem atingidas até o início da próxima década.

 

EXCELÊNCIA


Uma das missões é ampliar consideravelmente o número de empresas de excelência no Estado. Atualmente, Minas tem 5 mil empresas de TI, o que representa 7,6% do total de empresas no país, que respondem por um faturamento anual conjunto da ordem de R$ 2,3 bilhões. Outra meta é gerar cerca de 72 mil novas vagas de emprego.
A previsão de investimentos no programa mineiro é da ordem de R$ 195 milhões. Só para capacitação serão alocados 75 milhões. Outra ação será a construção de um Polo Empresarial de TI, numa parceria entre o Governo de Minas e a Prefeitura Municipal de Belo Horizonte. Neste espaço, aberto a investimentos empresariais, serão disponibilizadas área de convivência, de pesquisas e capacitação.
 

© 2009-2017. Todos direitos reservados a Gazeta do Oeste. Este material não pode ser publicado, transmitido por broadcast, reescrito ou redistribuído sem autorização.